ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

PS sugere demissão da secretária de Estado da Mobilidade
19/06/2024 12:43

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo deputado socialista Pedro Coimbra, numa conferência de imprensa, na Assembleia da República, em que afirmou que o PS também "tem sérias dúvidas" se a indemnização atribuída à secretária de Estado respeitou a lei.

"Estamos perante um caso de claro favorecimento. Estamos a falar de dinheiro dos contribuintes e de uma empresa pública. Penso que é o momento certo para a senhora secretária de Estado, para o ministro da tutela [Miguel Pinto Luz], incluindo o primeiro-ministro [Luís Montenegro], avaliarem se há condições para [Cristina Dias] se manter em funções, continuando a gerir dinheiros públicos", declarou o dirigente do PS.

Pedro Coimbra deixou ainda uma pergunta: "Podemos confiar na moral e na ética da senhora secretária de Estado?"

De acordo com o PS, Cristina Dias transitou "em poucos dias" da administração da CP para uma entidade reguladora, "passando o seu vencimento base para cerca do dobro".

"E em pouco tempo foi-lhe atribuída uma indemnização de 80 mil euros. Foi um processo tratado em tempo recorde, com o conselho de administração a ser convocado de forma extraordinária, com a indemnização a ser atribuída sem ter por base qualquer parecer jurídico e sem que exista qualquer processo nos recursos humanos da empresa", referiu Pedro Coimbra.

Pedro Coimbra assumiu estas posições depois de a secretária de Estado da Mobilidade ter sido ouvida hoje no parlamento sobre a sua saída da CP, com uma indemnização de 80.000 euros, para assumir funções como administradora da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Confrontado se esta situação com Cristina Dias é equivalente ou até menos grave do que o que envolveu a antiga secretária de Estado socialista do Tesouro Alexandra Reis, que saiu da TAP com uma indemnização de meio milhão de euros (e não apenas de 80 mil euros), o dirigente socialista alegou que esse caso que atingiu o Governo do PS "já foi avaliado e teve consequências políticas".

"Estamos aqui a avaliar um outro caso com indícios de falta de transparência, de ética e de moral. E o PS tem muitas dúvidas que esteja assente na legalidade", insistiu.

O jornal Correio da Manhã (CM) noticiou em 19 de abril, após Cristina Dias ter sido anunciada como secretária de Estado da Mobilidade, que a atual governante saiu da CP – Comboios de Portugal em julho de 2015, com uma indemnização de cerca de 80.000 euros, para assumir funções como administradora da AMT a convite do governo PSD/CDS-PP liderado por Pedro Passos Coelho.

Segundo o jornal, foi depois auferir na AMT um salário e despesas de representação na ordem dos 13.440 euros por mês, quase o dobro dos 7.210 euros que recebia na CP.

No mesmo dia em que o CM noticiou este caso, o ministro da Presidência, António Leitão Amaro, defendeu que a governante recebeu a sua indemnização com base em 18 anos de trabalho na CP e que até se lhe aplicou "o mais baixo dos dois salários que poderia ser ponderado", como técnica superior e não como administradora, cargo que exercia quando deixou a empresa.

Leitão Amaro referiu também que se trata de uma indemnização "igual a perto de 400 trabalhadores e dentro de um programa aberto durante quatro anos com regras aplicáveis a todos".

No passado dia 22 de maio, o ex-diretor da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) Francisco Fortunato, que denunciou o caso em 2015, disse no parlamento que "nenhuma norma foi cumprida" naquele processo e que a indemnização paga pela CP foi um "ato de má gestão, lesivo do interesse público e feito à total revelia dos normativos existentes e da política de austeridade então aplicada pelo Governo à generalidade dos trabalhadores".

Em 29 de maio, também em audição na Comissão de Economia, Obras Públicas e Habitação, o antigo presidente da CP Manuel Queiró – que exercia o cargo na altura em que Cristina Dias era administradora e saiu da empresa - negou ter tido conhecimento prévio da ida da atual secretária de Estado para a AMT.

Investidores deixam CrowdStrike "às escuras" após empresa provocar apagão
19/07/2024 22:25

Wall Street em queda antes das contas das "megacaps"
19/07/2024 21:24

DBRS eleva perspetiva de Portugal para ?positiva?. Rating mantém-se no sexto nível mais elevado
19/07/2024 21:07

UE à beira de crise de financiamento climático e digital, alerta Finance Watch
19/07/2024 20:21

Venda da participação da CGD no BCA deverá ficar concluída em três meses
19/07/2024 19:46

CTT arrancam com novo programa de recompra de ações de até 6,14% do capital
19/07/2024 19:16

OE2025: Alexandra Leitão diz que PS e Governo vão continuar a negociar e promete "boa-fé"
19/07/2024 19:06

Valor médio do CSI subiu 51% para 233 euros
19/07/2024 18:51

ANA tem 6 meses para concluir relatório para avançar com novo aeroporto
19/07/2024 18:46

OE2025: Chega sinaliza "atitude positiva" do Governo e admite que "há caminho" para negociar
19/07/2024 18:21

IL diz que Governo não deve desvirtuar OE2025 para ceder a quem atrasa o país
19/07/2024 17:51

Cimpor inaugurou uma nova fábrica nos Camarões
19/07/2024 17:16

Lisboa escapa a onda vermelha europeia mas não evita quebra semanal
19/07/2024 16:46

Maior acionista da EDP de olho em ativos espanhóis da Greenvolt
19/07/2024 16:11

Regulamentação dos bancos angolanos necessita de "ajustamentos"
19/07/2024 15:42

Nos não descarta alargar acordo de partilha de redes a mais operadoras
19/07/2024 14:53

Centro Nacional de Cibersegurança diz que 'apagão' afetou várias entidades portuguesas
19/07/2024 13:52

Preço dos combustíveis baixa. Gasóleo desce 2 cêntimos, e gasolina recua um cêntimo
19/07/2024 12:49

Pedro Nuno Santos só fala com Montenegro. Delegação do PS estará em reunião com Governo
19/07/2024 11:56

Serviços da Meo, Nos e Vodafone não foram afetados por falha global
19/07/2024 11:29

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco