ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Governo rejeita saneamento político e diz que "portugueses não perdoariam" inação na Santa Casa
02/05/2024 14:09

O ministro da Presidência rejeitou esta quinta-feira as acusações de saneamento político na exoneração da direção da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) e defendeu que os portugueses "não perdoariam" uma inação do Governo face à degradação da instituição.

Em declarações prestadas no 'briefing' após o Conselho de Ministros, António Leitão Amaro reiterou o papel da SCML enquanto "instituição importantíssima" na resposta social e criticou a falta de soluções da administração liderada pela provedora Ana Jorge, que ficará em funções correntes até ser nomeada uma nova equipa.

"O que os portugueses não perdoariam era que o Governo assistisse em inação a um agravar contínuo da situação financeira, da capacidade para atender aos que mais precisam, ao cumprimento da missão social e ser tolerante e aceitar essa inação, essa passividade, que não se manifestou em 15 dias ou três semanas", disse.

António Leitão Amaro lembrou que a direção exonerada esta semana estava em funções há cerca de um ano, sem que fosse conhecido um "plano de reestruturação" ou "medidas decisivas para inverter a situação de degradação financeira na Santa Casa".

"Não fizeram o que precisavam de fazer, não tiveram a diligência que era exigível. Portanto, os portugueses certamente compreendem que estamos a cumprir o nosso papel quando substituímos quem não faz o que deveria fazer", reforçou, continuando: "A Santa Casa é muito útil para os portugueses. Precisava - e precisa - de um novo ímpeto que a direção anterior não garantia".

O ministro da Presidência acrescentou ainda que a intenção do Governo com esta exoneração passa por "trazer capacidade de resposta e sustentabilidade financeira" à SCML, mas não deixou de apontar falta de cooperação da direção de Ana Jorge e a importância de haver um alinhamento com "as estratégias políticas e os programas do Governo".

"Como disse o senhor primeiro-ministro, é obviamente natural que, se é preciso uma nova capacidade de reformar para melhorar o cuidado aos mais vulneráveis e uma nova capacidade para fazer as reestruturações internas, organizacionais e financeiras para que a Santa Casa volte a ser sustentável financeiramente, a direção de uma instituição destas deve estar alinhada com essa preocupação e não recusar prestar informação, não deixar de agir e não persistir na inação", concluiu.

A provedora da SCML, e os elementos da Mesa, foram exonerados em 29 de abril, mantendo-se em funções até à nomeação de nova equipa.

O Governo acusou Ana Jorge e os elementos da Mesa de "atuações gravemente negligentes", que afetaram a gestão da instituição, justificando desse modo a exoneração.

Posteriormente, numa carta enviada a todos os trabalhadores, Ana Jorge acusou o Governo de a ter exonerado de "forma rude, sobranceira e caluniosa" e que foi apanhada de surpresa.

Ana Jorge tomou posse em 02 de maio de 2023, escolhida pelo anterior Governo socialista de António Costa, e herdou uma instituição com graves dificuldades financeiras, depois dos anos de pandemia e de um processo de internacionalização dos jogos sociais, levado a cabo pela administração do provedor Edmundo Martinho, que poderá ter causado prejuízos na ordem dos 50 milhões de euros.

Plenário de trabalhadores da Transtejo Soflusa interrompe ligações fluviais quarta-feira à tarde
17/06/2024 20:45

EDP fecha venda à sua maior acionista de 11,6% da CEM Macau por 100 milhões
17/06/2024 19:45

Trabalhadores da bolsa de valores italiana em greve contra a Euronext
17/06/2024 19:34

Socialistas europeus destacam "bom colega" , mas PPE lança dúvidas sobre futuro de Costa
17/06/2024 19:07

Por que motivo tantos estrangeiros escolhem Portugal para investir no mercado imobiliário
17/06/2024 17:40

Afinal repor tempo de serviço dos professores custa mais 169 milhões do que prevê Governo
17/06/2024 17:31

DST Solar ganha construção de cinco centrais solares flutuantes no Alentejo por quatro milhões
17/06/2024 16:56

Aliança de organizações alemã lança campanha para proibir partido de extrema-direita AfD
17/06/2024 15:46

Caso gémeas: "Não estou disponível para servir de bode expiatório", diz Lacerda Sales
17/06/2024 15:28

IMF ? FED manteve taxas de juro inalteradas
17/06/2024 15:00

Turbulência em França? "Estamos atentos ao bom funcionamento dos mercados financeiros", diz Lagarde
17/06/2024 14:40

Construção de parque para empresas chinesas em Oeiras inicia-se este ano
17/06/2024 14:23

Produção global de seguros aumentou 13,6% até março para 3,5 mil milhões
17/06/2024 14:09

Bruxelas quer alta velocidade sustentável entre Porto e Vigo até 2040
17/06/2024 14:07

Inteligência Artificial redefine setor bancário
17/06/2024 14:00

Buffett reduz participação na fabricante automóvel chinesa BYD
17/06/2024 13:38

Bancos angolanos apresentam risco alto de branqueamento de capitais
17/06/2024 12:44

Os dossiês quentes que vão ocupar os eurodeputados
17/06/2024 12:30

Vista Alegre parte a loiça em bolsa com entrada de Ronaldo na empresa
17/06/2024 12:10

Sob ameaça de Bruxelas, Governo finaliza proposta de lei sobre IRC mínimo
17/06/2024 09:25

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco