ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

PSP alerta para burlas relacionadas com investimentos nas redes sociais
13/04/2024 09:19

A Polícia de Segurança Pública (PSP) alertou hoje que tem detetado, desde o início do ano, burlas relacionadas com investimentos ('pig butchering') que ocorrem, sobretudo, na rede social Tik Tok.

 

Num comunicado hoje divulgado, a PSP explica que "de um modo geral, esta burla consiste na criação de uma relação de confiança gradual com as vítimas, levando-as a realizar contribuições consideráveis ("investimentos"), muitas vezes sob a forma de criptomoeda".    

 

Segundo a polícia, este tipo de burlas surgiu em 2020, associado a "burlas românticas e à manipulação da componente afetiva da vítima".

 

"Atualmente, este tipo de crime evoluiu para o uso de plataformas de investimento 'online' falsas e para a utilização de técnicas sofisticadas, como o uso de criptomoeda nas transações, uma vez que dificulta o rastreio e recuperação do dinheiro investido".

 

A PSP explica que a burla, estruturalmente, assenta em três fases distintas, o ganho de confiança, a engorda e o abate/recolha de dinheiro.

 

Na fase do ganho de confiança, o burlão inicia uma conversa casual com a vítima, fingindo que recebeu aos seus dados pessoais acidentalmente ou através de um conhecido mútuo com o objetivo de criar uma relação de confiança com a vítima e pode incluir a utilização de imagens de perfil atraentes para cativá-la.

 

Após ganhar a confiança da vítima, o burlão apresenta-lhe uma promessa de dividendos através da realização de tarefas simples, como visualizações de músicas no Youtube ou avaliações em 'sites' de vendas.

 

Ao realizar estas tarefas, os lesados são convencidos a pagar um valor que, posteriormente, será devolvido, acrescido de recompensas.

 

Posteriormente, na fase da engorda, é solicitado o pagamento de valores mais avultados e a confiança é reforçada e as vítimas têm retorno imediato.

 

Na fase do abate/recolha de dinheiro, e após convencer a vítima a fazer um grande investimento, os burlões ficam incontactáveis, eliminam a sua presença 'online' ou criam novas identidades, deixando os lesados sem forma de recuperar o dinheiro investido.

 

Para prevenir estas burlas, a PSP recomenda evitar responder a mensagens de texto não solicitadas e bloquear ou denunciar a pessoa que as envia, bem como evitar partilhar informações pessoais e financeiras com um contacto 'online'.

 

A PSP aconselha também desconfiar de promessas irrealistas.

 

"Os burlões, geralmente, entram em contacto com as vítimas através das redes sociais ou aplicações de namoro e também enviam mensagens de texto 'acidentalmente' para iniciar conversas com as vítimas", afirma a PSP, adiantando que "os burlões, de forma gradual, vão ganhando a confiança das vítimas antes de abordar o tema do investimento".

 

"Como os burlões querem que as vítimas confiem neles, alguns prometem presentes extravagantes e viagens exorbitantes ao estrangeiro", afirma a polícia, adiantando que "o burlão pode convencer a vítima a descarregar uma aplicação de investimento e negociar com ela para demonstrar como funciona".

 

A PSP recomenda também que as pessoas garantam sempre que estão a utilizar um site ou aplicação fidedigna porque a plataforma sugerida pelo burlão permitirá primeiro pequenos ganhos e posteriormente, mediante pedidos de levantamento de dinheiro mais significativos, impor impostos ou taxas e informar a vítima de que a sua conta foi congelada e que o pagamento das taxas é a única solução, explica a PSP.

 

A PSP sublinha que ainda que "o site recomendado pelo burlão pode ter um URL com erros ortográficos de um site/aplicação frequentemente mal projetado de serviços de terceiros para transações em criptomoeda".

 

"À medida que mais pessoas têm conhecimento das burlas, estas tornam-se menos eficazes, logo a natureza do crime está em constante evolução", afirma a PSP que recomenda as pessoas a manterem-se atualizadas sobre as últimas tendências.

 

Montenegro acusa derrotados de estarem "mais ocupados em geringonçar" do que em ser oposição
27/05/2024 22:02

Eleições/Madeira: PS e JPP propõem solução conjunta de governo
27/05/2024 20:26

Mandatado pelo KKR, Mediobanca já detém mais de 16% da Greenvolt
27/05/2024 19:38

Havas faz um Reality Check Back to the Future
27/05/2024 19:14

Pinto Luz: Negociações com a Vinci para aeroporto Luís de Camões começam em breve
27/05/2024 19:05

Apoio extraordinário à renda mantém-se mesmo com alteração do contrato
27/05/2024 18:43

Executivo aprova regime ?semi-automático? para aproveitamento de imoveis devolutos do Estado
27/05/2024 18:33

Governo revoga Contribuição Extraordinária sobre o Alojamento Local e medida que agrava o IMI
27/05/2024 18:16

Governo avança com regime fiscal para PPR europeu
27/05/2024 18:07

Trabalhadores deslocados vão poder aproveitar valor da renda para pagar menos IRS
27/05/2024 18:01

Radares de Lisboa registam mais de 500 mil infrações em dois anos e rendem à câmara 10 milhões
27/05/2024 17:58

Millennium Talks Aveiro
27/05/2024 17:33

Autoridade da Concorrência sem oposição à compra da MGC pela Barraqueiro
27/05/2024 17:25

Especial aniversário sobre IA: Dia 29 de maio, o Negócios é oferecido
27/05/2024 17:02

Energia dá gás à bolsa nacional. BCP trava maiores ganhos
27/05/2024 16:54

Acordo a assinar com Zelensky tem horizonte de dez anos
27/05/2024 16:46

Reforço da pista do Aeroporto do Porto vai custar 50 milhões de euros
27/05/2024 16:39

CGTP quer aumento salarial e desbloqueio da contratação coletiva
27/05/2024 16:02

Grupo português atinge liderança a laser na Eslováquia
27/05/2024 15:37

Marcelo promulga gratuitidade de medicamentos para idosos mais desfavorecidos
27/05/2024 15:09

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco