ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Sem eliminação rápida das energias fósseis, crise climática será irreversível, alertam cientistas
03-12-2023 12:00

A "eliminação rápida e controlada dos combustíveis fósseis" é condição para que não seja ultrapassado o limiar de segurança do clima na Terra, segundo um relatório científico apresnetado este domingo no Dubai.

Segundo o relatório "Dez novas perspetivas científicas", elaborado por um painel global de cientistas com o apoio da Future Earth, Liga da Terra e o Programa Mundial de Investigação Climática e apresentado na 28.ª conferência das Nações Unidas sobre alterações climáticas (COP28), o mundo não pode dirigir os seus esforços de descarbonização apenas para emissores tradicionais de carbono, mas sim para alternativas energéticas.

Este estudo tem sido atualizado todos os anos desde 2017 e apresentado nas cimeiras climáticas da ONU e inclui as conclusões mais recentes sobre o aquecimento global e os seus efeitos, resumindo as dez conclusões que consideram mais relevantes para informar os negociadores no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (UNFCCC, na sigla original).

Trata-se, segundo o secretário executivo da UNFCCC, Simon Stiell, de "uma ferramenta essencial para os decisores" numa altura "crítica" do calendário político.

O documento apresentado este domingo alerta para a quase "inevitabilidade" de se ultrapassar o limiar de segurança estabelecido pelo grupo de especialistas em clima da ONU: um aquecimento global limitado a 1,5 ºC acima dos valores médios da temperatura da era pré-industrial.

O relatório destaca também outros impactos importantes que se agravaram nos últimos anos, como a perda acelerada de glaciares de montanha e a crescente imobilidade humana em áreas com elevados riscos climáticos.

São ainda analisadas algumas das estratégias que os países devem adotar para travar o aquecimento, começando por uma "eliminação rápida e controlada dos combustíveis fósseis" e uma reforma dos sistemas alimentares, propostas que devem ser apoiadas por "políticas sólidas" e um modelo de "governação conjunta" com novos instrumentos para tornar a justiça "operacional".

A "dependência excessiva" dos locais naturais que sequestram o carbono emitido - florestas tropicais, zonas húmidas, oceano e outros ecossistemas que podem remover as emissões da atmosfera - é, no entanto, segundo os cientistas, "uma estratégia arriscada" porque a sua contribuição futura é "incerta", já que as alterações climáticas irão criar danos também nessas zonas.

Com a crise climática, "todas as soluções são necessárias" e a capacidade de sequestro natural de carbono é limitada e está a degradar-se devido ao aquecimento, alerta o relatório.

Um dos autores do documento, Marcos Fernández, disse à agência espanhola EFE que, até agora, os pontos de sequestro de carbono terrestres e marinhos cresceram enquanto as emissões de dióxido de carbono (CO2) aumentaram, mas os especialistas alertam para o facto de, no futuro, estes ecossistemas poderem absorver menos CO2 do que o previsto com base nas avaliações existentes.

"Temos indicações de que a capacidade dos sumidouros, tanto terrestres como marinhos, está a diminuir", afirmou.

São necessárias "soluções baseadas na natureza para remover o CO2 da atmosfera através de métodos naturais, mas não podemos confiar demasiado neles porque podem falhar e porque as alterações climáticas estão a provocar essa falha".

"Qualquer mudança, qualquer perturbação propaga-se no futuro e está a provocar a desestabilização do ciclo do carbono em certas zonas, como o Mediterrâneo", explica o especialista.

O investigador, que critica as soluções "tecno-optimistas", é mais favorável à contenção económica para reduzir as emissões e, ao mesmo tempo, conservar os ecossistemas, sublinhando que "o bem-estar da humanidade não depende do crescimento económico ou da utilização de materiais", mas sim da natureza.

IMF ? Índice PCE: Inflação dos EUA subiu em janeiro
04-03-2024 13:30

Sindicato dos trabalhadores contraria CGD e reafirma 70% de adesão "massiva" à greve
04-03-2024 12:55

Bruxelas multa Apple em 1,8 mil milhões de euros. Empresa da maçã vai recorrer
04-03-2024 12:46

Sumol+Compal sobe salário base para 860 euros
04-03-2024 11:53

Juro dos novos depósitos desceu em janeiro. É o primeiro recuo desde setembro de 2022
04-03-2024 11:15

Bitcoin supera os 65 mil dólares. Está a menos de quatro mil do recorde absoluto
04-03-2024 11:12

Savannah já tem "short list" de parceiros para a mina de Boticas e procura financiamento
04-03-2024 11:05

Lidl investe 9,5 milhões de euros em nova loja em Loulé
04-03-2024 10:54

Mário Leite Silva acusa Angola de boicotar os seus requerimentos
04-03-2024 10:47

Brasileira TSBetc escolhe o Porto para instalar a sua primeira base internacional
04-03-2024 10:10

Novo Banco quer vender bens de Luís Filipe Vieira em Portugal
04-03-2024 09:47

Revolut avança com sucursal em Portugal e obtenção de IBAN nacional
04-03-2024 09:36

Empresa quer impulsionar construção de pontes em madeira em Portugal e Espanha
04-03-2024 09:30

Mota-Engil e Galp dão ânimo à bolsa de Lisboa
04-03-2024 08:16

5 coisas que precisa de saber para começar o dia
04-03-2024 07:30

O peso das exportações no PIB, as propostas dos partidos para Segurança Social e as fortunas
04-03-2024 07:01

Marques Mendes: Esta vai ser a semana do tudo ou nada
03-03-2024 21:37

Portugal recebeu 118 mil pessoas em 2023 e "metade tinha nacionalidade portuguesa", sublinha Gonçalo
03-03-2024 19:04

A sua semana dia a dia: Acelera época de contas do PSI e BCE reúne-se
03-03-2024 19:00

OPEP+ vai manter cortes até meados do ano
03-03-2024 14:25

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco