ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Produção hídrica com bombagem bate recordes nas barragens portuguesas em 2023
29/11/2023 15:46

Portugal continua a bater recordes na produção de energia renovável. Depois do recorde na produção eólica e de o país ter estado seis dias a ser abastecido exclusivamente por energia a partir de fontes limpas, desta vez foi a produção de energia hídrica a partir de bombagem a atingir  - a 15 de novembro - o valor anual mais elevado de sempre, com 2,5 TWh. Desta forma, 2023 tornou-se já no ano com a maior produção hídrica com bombagem de sempre, quando ainda falta mais de um mês para o final de dezembro, informou a REN - Redes Energéticas Nacionais, em comunicado.  

O anterior recorde, de 2,3TWh, refere-se ao ano de 2022, apesar da seca severa e extrema registada em Portugal nesse ano. Diz a REN que entre as barragens mais produtivas destacam-se a de Gouvães (da Iberdrola) com 35% do total da produção com bombagem, e as de Alqueva e Venda Nova/Frades (ambas da EDP), com 20% cada.
 
Em simultâneo com o aumento da produção solar  fotovoltaica na Península Ibérica, a central hidroelétrica de Gouvães, que faz parte da gigabateria do Tâmega da espanhola Iberdrola e entrou em funcionamento em janeiro de 2022, veio aumentar a capacidade instalada de bombagem em Portugal. Atualmente, o Sistema Elétrico Nacional tem uma potência instalada nas bombas hidroelétricas de 3.585 MW, para uma potência hídrica total de 8.216 MW, diz a REN. 

A empresa refere ainda que a potência máxima histórica absorvida pelas centrais com bombagem foi de 2.492 MW em janeiro de 2021. Este ano, o máximo atingido até ao momento foi de 2.474 MW, no mês de setembro.
 
"Estes registos confirmam que Portugal tem mantido uma trajetória sustentável na progressiva incorporação de fontes renováveis endógenas, mantendo sempre os objetivos primordiais de segurança de abastecimento e de qualidade de serviço", sublinha a REN.

A produção de energia elétrica a partir de bombagem só é possível em barragens equipadas com bombas hidroelétricas, que bombeiam a água de um reservatório inferior para um reservatório superior, possibilitando assim a sua "reutilização" para a produção de energia elétrica em momentos em que a energia elétrica tem maior procura.
 
A utilização de bombas hidroelétricas permite aumentar a garantia de abastecimento nos períodos secos e permite também facilitar a integração de outras energias renováveis como sejam a eólica e a solar, armazenado os excedentes de produção para utilização em outras horas de maior consumo.

O forte aumento de utilização das bombas nos últimos dois anos está precisamente associado ao aumento da produção fotovoltaica, permitindo absorver excedentes durante as horas de maior disponibilidade solar, para produção posterior nas horas de ponta.

"Nos próximos anos, com a crescente incorporação de renováveis no Sistema Elétrico Nacional, a utilização das bombas das centrais hídricas continuará a aumentar de forma relevante", prevê a REN.

Centeno: BCE deve estar aberto a um corte dos juros em março
23/02/2024 16:15

Preços dos combustíveis aliviam na próxima semana. Gasóleo baixa três cêntimos e gasolina 1,5
23/02/2024 15:38

Negócios vence prémio da Euronext Lisbon
23/02/2024 15:30

EUA anunciam sanções a 500 entidades russas. É o maior pacote desde o início da guerra
23/02/2024 15:10

Volumes de transporte marítimo no Canal do Suez caem 55% numa semana
23/02/2024 14:38

Só 12% dos potenciais ?falsos recibos verdes? foram regularizados. ACT avança com inspeções
23/02/2024 14:25

A era digital e a revolução no posto de trabalho
23/02/2024 14:00

Contas de serviços mínimos bancários crescem 19% para 222 mil
23/02/2024 13:04

CAP vai juntar-se a protesto em Bruxelas em dia de reunião de ministros da Agricultura da UE
23/02/2024 12:50

Engarrafadora da Coca-Cola "bebe" 3.325 milhões de euros em receitas na Península Ibérica
23/02/2024 11:36

Sonangol diz que "há muita pressão" para vender posição no BCP
23/02/2024 11:11

Quebra no investimento penalizou PIB alemão no final de 2023
23/02/2024 10:58

Farfetch fechou escritórios de Braga em setembro
23/02/2024 10:11

Espanha cria observatório para reduzir impacto das alterações climáticas na saúde
23/02/2024 10:03

Advogado do Diabo com Ricardo Rio: "Há uma visão de que tudo se resolve através de políticas fiscais
23/02/2024 10:00

Medina acredita que PIB pode crescer 1,5% em 2024 apesar de previsões pessimistas
23/02/2024 09:34

Limpeza de inscritos no SNS retirou 100 mil das listas
23/02/2024 09:23

Bolsa de Lisboa na linha de água. Corticeira sobe mais de 1% mas Mota-Engil pressiona
23/02/2024 08:15

O Metro a derrapar, a falha no travão à caducidade, a Soma dos Dias e o seu Weekend
23/02/2024 07:30

Portugueses são os segundos piores da UE em literacia financeira
23/02/2024 00:13

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco