Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Fecho dos mercados: Promessas de estímulos da Alemanha animam bolsas, elevam juros e petróleo
16/08/2019 17:11

Os mercados em números
PSI-20 ganhou 1,82% para 4.804,19 pontos
Stoxx 600 apreciou 1,24% para 369,63 pontos
S&P500 avança 1,37% para 2.886,72 pontos
Juros da dívida portuguesa a dez anos sobem 3,4 pontos base para 0,092%
Euro recua 0,1% para 1,1096 dólares
Petróleo em Londres sobe 0,89% para 58,75 dólares o barril
 
Bolsas europeias sobem com promessas de estímulos económicos
A promessa de mais estímulos económicos animou os investidores, que provocaram subidas nas bolsas europeias e acabaram por ditar a subida dos juros, do petróleo e do ouro. Os investidores assumiram uma posição de maior risco depois da Alemanha ter admitido avançar com estímulos económicos.
 
Segundo a publicação alemã, o Executivo de Angela Merkel está preparado para aumentar a despesa pública caso a maior economia europeia fique à beira da recessão. O debate sobre a possibilidade da Alemanha utilizar estímulos orçamentais para combater o abrandamento da economia ganhou força nos últimos dias, sobretudo depois de se saber que o PIB da maior economia europeia recuou 0,1% no segundo trimestre.
 
Desde 2014, com Wolfgang Schaeuble à frente das Finanças, a Alemanha nunca gerou défices orçamentais, sendo que o atual titular da pasta, Olaf Scholz, manteve até agora o compromisso. 
 
Os investidores gostaram da notícia do jornal alemão que a Alemanha poderá abandonar a estratégia de equilíbrio orçamental, pois os índices acionistas acentuaram de forma expressiva os ganhos que já registavam da parte da manhã. Já as taxas de juro das obrigações soberanas estão em alta, invertendo a tendência de queda para mínimos históricos nas últimas sessões.
Ainda ontem, Olli Rehn, ex-comissário europeu responsável pelos Assuntos Económicos e atual governador do Banco da Finlândia, apelou ao Banco Central Europeu (BCE) para que anuncie um pacote de estímulos "significativo e impactante" que apanhe de surpresa os investidores.
 
O Stoxx600, índice que agrega as 600 maiores cotadas europeias, subiu 1,24% para 369,63 pontos, num dia em que o verde foi a cor que imperou por toda a Europa. Portugal não foi exceção, com PSI-20 avançou 1,82% para 4.804,19 pontos, com o BCP a destacar-se, ao disparar 5,5%.
 
Juros sobem com menores receios
Este contexto de mais estímulos económicos fazem com que os investidores apostem em ativos de maior risco, o que provoca a subida dos juros associados às dívidas soberanas. A taxa implícita na dívida portuguesa a 10 anos, que ontem tocou em níveis nunca antes vistos, negociando abaixo de 0,1%, subiu hoje 3,4 pontos base para 0,092%. A "yield" alemã avançou 2,7 pontos para -0,690%.
 
Euro cai com mais estímulos
A perspetiva de mais estímulos na Zona Euro penaliza o euro, porque há a expectativa de injeções de liquidez e de manutenção de políticas de juros baixos por mais tempo. O euro está a ceder 0,1% para 1,1096 dólares, acumulando uma descida de quase 1% na semana, o que corresponde a maior descida em seis semanas.
 
Petróleo sobe na semana com alívio da guerra comercial
Os preços do petróleo subiram ligeiramente no acumulado da semana, sendo esta a primeira vez em três semanas em que esta matéria-prima acumula valor, a beneficiar dos sinais que foram deixados sobre uma nova aproximação entre os EUA e a China, que deverão retomar as negociações comerciais. Donald Trump disse mesmo esta quinta-feira que está confiante que o diferendo com Pequim se resolva com brevidade. O barril do Brent, negociado em Londres e referência para Portugal está hoje a subir 0,89% para 58,75 dólares.
 
Ouro cai mais de 1% com regresso ao risco
O preço do ouro está em queda acentuada, num dia em que os investidores voltaram a apostar em ativos mais arriscados, elevando as bolsas e pressionando o ouro e os juros da dívida. O ouro está a desvalorizar 0,72% para 1.512,32 dólares por onça. 

Rio, o homem que quer pôr o jornalismo na ordem
19/09/2019 20:25

Irão avisa Washington e Riade que qualquer ataque resultará numa guerra
19/09/2019 20:00

Trabalhadores da Amazon conseguem mudança nos processos para combater alterações climáticas
19/09/2019 19:38

Empresa em incumprimento com o BCP reduz posição na Pharol a metade
19/09/2019 19:17

Airbnb quer fazer da bolsa a sua nova "casa" em 2020
19/09/2019 18:27

Provedora da Justiça aplaude mudanças no IRS sobre salários de anos anteriores
19/09/2019 17:59

Fecho dos mercados: Bancos centrais animam bolsas europeias. Petróleo volta ao verde
19/09/2019 17:31

Pirata informático Rui Pinto acusado de 147 crimes
19/09/2019 16:39

Matrículas dos automóveis vão mudar de formato
19/09/2019 15:42

Bolsas dos EUA em leve alta após Fed cortar taxas de juro
19/09/2019 14:39

Governo tem 100 milhões para apoiar PME que queiram expandir ou que vão ser herdadas
19/09/2019 14:08

Revolut alarga plataforma de negociação de ações a todos os clientes
19/09/2019 13:08

Parlamento Europeu questiona Elisa Ferreira sobre ações da Sonae
19/09/2019 12:20

Banco de Inglaterra não mexe nos juros enquanto a incerteza sobre o Brexit persistir
19/09/2019 12:20

Portugueses já investiram 650 milhões em certificados em 2019
19/09/2019 11:38

Álvaro Sobrinho faz queixa-crime de candidato à liderança da UNITA
19/09/2019 11:14

Juros do crédito da casa descem pela primeira vez em oito meses
19/09/2019 11:08

Endividamento da economia baixa ligeiramente em julho
19/09/2019 10:57

Como Portugal se tornou no mercado imobiliário "mais quente" da Europa
19/09/2019 10:36

ERSE avisa EDP que instalação de contadores inteligentes "tem de acelerar"
19/09/2019 09:58

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco