Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

Allianz (ALV)

Exportar para Excel

Obrigações portuguesas eram lixo. Agora são ouro para os investidores 17-01-2020 14:20:00

As obrigações portuguesas ainda podem ter mais a dar aos investidores depois de entregarem retornos maiores que praticamente quaisquer outras desde a crise de dívida na Europa.Na semana passada o país aprovou o primeiro orçamento com excedente orçamental na história recente, tornando a perspetiva de uma revisão em alta do rating de crédito da Moody’s Investor Service provável, já esta sexta-feira, de acordo com o Citigroup. O banco está a recomendar que os investidores comprem obrigações a quatro anos em oposição às da vizinha mediterrânica Espanha, descrevendo-as como o seu "trade favorito".Uma revisão em alta do rating da Moody’s irá cimentar a recuperação desde que a dívida nacional era classificada como lixo, há menos de 18 meses. Durante esse período, as obrigações portuguesas remuneraram os investidores em mais de 10%, de acordo com os índices Bloomberg Barclays, e 161% recuando a 2012, o pico da crise da Zona Euro. Apenas as obrigações gregas remuneraram mais, mas são notoriamente ilíquidas, enquanto as portuguesas provaram ser menos voláteis. "Continuamos a preferir Portugal a Espanha - é uma economia mais pequena e mais estável", afirmou Mauro Vittorangeli, da Allianz Global Investors, que gere 608 mil milhões de dólares em ativos.As yield das obrigações portuguesas a 10 anos caíram dois pontos base para os 0,49% na sexta-feira, depois de quase terem tocado os 0% em agosto do ano passado. O prémio da dívida portuguesa em relação à alemã, um barómetro do risco, estão nos 71 pontos base, ligeiramente acima de um mínimo de sempre atingido em novembro. O Citigroup acredita que a S&P Global Ratings e a Fitch Ratings também irão elevar o rating de Portugal nos próximos meses.O primeiro-ministro António Costa, que está a servir no seu segundo mandato depois de ter ganho as eleições em outubro, afirma que quer continuar a aumentar as rendimentos disponíveis dos portugueses ao mesmo tempo que mantém a disciplina orçamental e que reduz o fardo do país com a dívida, a terceira mais alta da Zona Euro, atrás da da Grécia e da de Itália. Moody’s pode subir hoje "rating" de Portugal Se a Moody’s, tal como se espera, elevar esta sexta-feira a notação da República Portuguesa, as três principais agências passarão a ter todas a dívida soberana do país com a mesma classificação, neste caso no penúltimo grau da categoria de investimento de qualidade. A última vez em que tinham estado todas de acordo quanto à classificação a dar a Portugal (neste caso, primeiro nível de "lixo") tinha sido em setembro de 2015 - e essa opinião manteve-se durante dois anos. Em outubro passado, a canadiana DBRS colocou Portugal três níveis acima de "lixo", sendo pois, atualmente, a que dá melhor nota à qualidade da dívida do país.
 

$(function(){$(".myIframe").append(''),$(".myIframe").css({position:"relative","padding-bottom":"56%","padding-top":"0px",height:"0",overflow:"no","-webkit-overflow-scrolling":"touch",border:"solid black 0px"}),$(".myIframe iframe").css({position:"absolute",top:"0",left:"0",width:"100%",height:"100%"})});
 

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco