Este website utiliza cookies (identificadores de sessão) para ter uma melhor experiência de navegação, utilização e para personalizar o conteúdo e anúncios disponibilizados. Clique aqui para obter mais informação sobre a utilização dos cookies e alterar os parâmetros de gestão de cookies.

Cookies Essenciais

  • Essenciais

  • Analíticos

  • Funcionalidade

  • Remarketing

Cookies Essenciais

São necessárias para otimizar a navegação e aceder a certas áreas e funcionalidades do website (acesso a áreas seguras do website através de um início de sessão). Estes Cookies estão sempre ativados.

Estes Cookies estão sempre Activos

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

UE paga transporte de 40 mil toneladas de cereais ucranianos para países vulneráveis
26-11-2022 17:19

A União Europeia vai pagar o transporte em dois navios de 40 mil toneladas de cereais ucranianos, no âmbito de uma iniciativa de Kiev destinada a exportar cereais para países vulneráveis, anunciou hoje a presidente da Comissão Europeia.

 

"Pagaremos o transporte de 40 mil toneladas de cereais, que é o que resta do que (a Ucrânia) disponibilizou, seja qual for o custo", disse Ursula von der Leyen numa intervenção por vídeo por ocasião da campanha "Grain from Ukraine" (Grão da Ucrânia).

 

A iniciativa visa fornecer cereais gratuitos a pelo menos cinco milhões de pessoas, em países como o Sudão, o Iémen, o Quénia e a Nigéria até ao final da primavera de 2023, anunciou anteriormente o Governo ucraniano.

 

Esta foi lançada coincidindo com as cerimónias que assinalam o chamado "Holodomor", a grande fome causada pela política do regime soviético que causou milhões de mortes na própria Ucrânia nos anos de 1932 e 1933.

 

A nova ajuda europeia será acrescentada à mobilização através dos chamados corredores solidários promovidos pela UE, que desde maio permitiram a exportação por terra 17 milhões de toneladas de cereais e produtos alimentares ucranianos.

 

Esses corredores "tornaram-se uma tábua de salvação para a economia ucraniana, fornecendo mais de 19 mil milhões de euros de rendimentos tão necessários aos agricultores e empresas ucranianos", referiu Von der Leyen, recordando que recentemente foram mobilizados mais mil milhões de euros para os reforçar.

 

Além disso, o acordo promovido pela Turquia e pelas Nações Unidas permite que os alimentos sejam retirados do país por barco, o que eleva para 28 milhões de toneladas os produtos exportados para o resto do mundo a partir da Ucrânia.

 

"A vossa iniciativa 'Grão da Ucrânia' tem todo o meu apoio e é crucial para os nossos esforços. Estão a mostrar ao mundo um compromisso inabalável com a segurança alimentar global, a responsabilidade internacional e a solidariedade com os mais necessitados", disse Von der Leyen dirigindo-se aos ucranianos.

 

"Hoje, a Rússia está novamente a usar a comida como arma. Como parte da sua brutal agressão contra a Ucrânia, destruiu a sua produção agrícola, atacou os seus silos e bloqueou os seus portos. A Rússia está, portanto, a privar os países mais vulneráveis de África, do Médio Oriente e da Ásia de um acesso vital aos alimentos", denunciou.

 

A presidente da Comissão acusou ainda a Rússia de usar "desinformação" para culpar os outros pelas suas "ações desprezíveis" e instou "a continuar a lutar contra ela".

 

A UE e os seus membros esforçam-se por desacreditar o discurso da Rússia, que atribui às sanções europeias sobre Moscovo os problemas do comércio alimentar global e das exportações da Ucrânia, um dos principais fornecedores mundiais de cereais.

 

A Rússia lançou uma ofensiva militar na Ucrânia a 24 de fevereiro, que ainda perdura, e que foi condenada pela comunidade internacional que respondeu, com destaque para a UE e Estados Unidos, com ajuda militar, humanitária e económica a Kiev e a imposição de sanções económicos e políticas sem precedentes a Moscovo.

Gomes Cravinho lamenta ter nomeado ex-diretor para empresa pública
08-02-2023 13:19

Microsoft integra tecnologia da criadora do ChatGPT nos motores de busca
08-02-2023 12:50

Portuguesa Boost IT duplica vendas e quer contratar mais 250 pessoas
08-02-2023 12:39

Governo prepara "cartão refeição" para os transportes
08-02-2023 12:32

Biden deixa alerta à China no discurso do Estado da União
08-02-2023 12:15

Governo vai a Belém fazer balanço do PRR e Marcelo visita obras no terreno
08-02-2023 11:52

Desemprego agrava-se e taxa avança para 6,5% no quarto trimestre
08-02-2023 11:35

Portugal já recebeu terceiro "cheque" de 1,8 mil milhões do PRR
08-02-2023 11:30

Portugal emite mil milhões em dívida a dez anos com juro de 3,2%
08-02-2023 11:23

Famílias portuguesas são das poucas em que o rendimento ainda está abaixo do pré-pandemia
08-02-2023 11:05

Investigadores do Porto desenvolvem sistema de apoio a combate a catástrofes naturais
08-02-2023 10:39

Duarte Cordeiro: "Ainda este ano haverá navios elétricos a navegar no Tejo"
08-02-2023 10:34

Qantara investe mais de 500 milhões no desenvolvimento de parque logístico em Grândola
08-02-2023 09:34

Lucro da Société Générale cai 64% em 2022 devido à saída da Rússia
08-02-2023 09:04

Guimarães desenvolve projeto para reduzir desperdício alimentar
08-02-2023 08:56

BCE diminui requisito de capital da Caixa e mantém o do BCP e Novo Banco
08-02-2023 08:52

TAP perde 444 milhões com novos aviões Airbus
08-02-2023 08:40

Lisboa esboça sorriso em dia com pleno de ganhos
08-02-2023 08:15

Lucros do BNU caem 28% para 37,2 milhões de euros em 2022
08-02-2023 08:10

5 coisas que precisa de saber para começar o dia
08-02-2023 07:30

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco