Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Bruxelas admite preço máximo do gás ao nível da UE em caso de rutura total
18/05/2022 13:53



"Em caso de rutura total do fornecimento de gás russo, poderão ser necessárias medidas excecionais para gerir a situação", entre as quais a introdução de um "preço máximo administrativo do gás a nível da UE", admite o executivo comunitário, numa informação hoje divulgada.

No dia em que publica recomendações sobre medidas de emergência a curto prazo e opções para melhorias a longo prazo, Bruxelas aponta que, "se for introduzido, este limite [ao preço do gás] deverá ser limitado à duração da emergência da UE e não deverá comprometer a capacidade da UE para atrair fontes alternativas de abastecimento de gás por gasoduto e GNL e para reduzir a procura".

Em causa está REPowerEU, o plano para aumentar a resiliência do sistema energético europeu e tornar a Europa independente dos combustíveis fósseis russos antes de 2030, no seguimento da guerra da Ucrânia e dos problemas no abastecimento.

Na comunicação relativa ao REPowerEU, a Comissão Europeia alerta para o risco de uma "grave rutura de abastecimento" de gás no próximo inverno na UE, devido aos problemas no fornecimento russo, propondo mais armazenamento e admitindo o recurso ao mecanismo de compras conjuntas, como já tinha sido noticiado pela Lusa.

No documento, a instituição exorta a uma rápida adoção do regulamento sobre armazenamento, numa alusão à proposta que fez aos Estados-membros para assegurarem pelo menos 80% de armazenagem subterrânea até novembro próximo e 90% nos próximos anos.

Ao mesmo tempo, a instituição pede aos países da UE que atualizem os seus planos de contingência e realizem acordos de solidariedade bilateral entre países vizinhos, já que só 18 dos 27 países têm este tipo de infraestruturas para armazenar gás natural.

O quadro jurídico da UE prevê que, em caso de escassez de gás, os Estados-membros possam solicitar aos países vizinhos medidas de solidariedade para assegurar o abastecimento.

Na informação hoje divulgada à imprensa, a Comissão Europeia vinca que "facilitará a criação de um plano coordenado de redução da procura da UE com medidas preventivas de redução voluntária a fim de estar pronta em caso de emergência".

Além disso, Bruxelas vinca que, "como passo seguinte", será considerado o desenvolvimento de um mecanismo de compras conjuntas voluntário, responsável pela negociação e contratação em nome dos Estados-membros participantes para aquisição conjunta de gás.

"Tal mecanismo poderia assumir a forma de uma empresa comum ou de uma entidade empresarial, alavancando o poder do mercado europeu", adianta.

Outra recomendação do executivo comunitário é que os países da UE utilizem "a Plataforma Energética da UE para agregar a procura de gás, assegurar preços de gás competitivos através de aquisições conjuntas voluntárias e reduzir a dependência da UE dos combustíveis fósseis russos", optando antes por alternativas como o GNL.

O aviso surge depois de, no final de abril, o grupo russo Gazprom ter anunciado que iria suspender todas as suas entregas de gás à Bulgária e à Polónia, dois países da UE, por não terem feito o pagamento em rublos, dado isso subverter as sanções europeias à Rússia devido à guerra da Ucrânia.

A Comissão Europeia já veio admitir que qualquer outro país poderá seguir-se, mas garantiu que a UE está preparada para um corte total do gás russo.

As tensões geopolíticas devido à guerra da Ucrânia têm afetado o mercado energético europeu, já que a UE importa 90% do gás que consome, sendo a Rússia responsável por cerca de 45% dessas importações, em níveis variáveis entre os Estados-membros.

Em Portugal, o gás russo representou, em 2021, menos de 10% do total importado.

Governo deve fazer revisão urgente do Plano Nacional da Água
01/07/2022 14:16

Táxis e autocarros vão ter novo apoio aos combustíveis de 17,4 milhões até 30 de setembro
01/07/2022 12:54

Despesas com saúde registam aumento recorde de 12,2% em 2021
01/07/2022 12:37

Água da torneira não custa o mesmo para todos. Diferenças podem superar 600 euros/ano
01/07/2022 12:09

Produção industrial aumentou 4,7% em maio face a 2021, excluindo a energia
01/07/2022 12:03

Associações criticam taxa de take-away em vigor a partir desta sexta-feira
01/07/2022 11:47

Família de Eduardo dos Santos pede privacidade
01/07/2022 11:34

Dívida pública volta a atingir novo recorde. Chegou aos 280,4 mil milhões em maio
01/07/2022 11:16

Presidente da FLAD vê mais investimento dos EUA a vir para Portugal
01/07/2022 11:07

Operação Marquês: Sócrates sujeito a apresentações quinzenais na esquadra
01/07/2022 10:25

Inflação na Zona Euro bate os 8,6% em junho, mais meio ponto percentual que em maio
01/07/2022 10:08

Segurança Social recebe 3.300 queixas por ano desde 2019
01/07/2022 10:01

Fisco realizou 22.098 ações de verificação e 23% visaram particulares
01/07/2022 09:23

União Europeia avança com regulamentação sobre transações de moedas digitais
01/07/2022 09:21

Governo retira 28,2 cêntimos ao gasóleo e 32,1 cêntimos à gasolina até agosto
01/07/2022 09:05

Lisboa com terceira perda diária consecutiva. REN lidera as quedas
01/07/2022 08:24

5 coisas que precisa de saber para começar o dia
01/07/2022 07:30

Mayday, um desastre na governação
01/07/2022 07:01

Regulador financeiro dos EUA reclama 1,7 mil milhões de dólares a fundo de moedas digitais
01/07/2022 01:39

Paulo Fernandes investe 1,18 milhões em direitos de subscrição para aumento de capital da Greenvolt
01/07/2022 01:22

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco