Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Bruxelas cria mecanismo para atuar na recuperação e resolução das seguradoras na UE
22/09/2021 14:57

A Comissão Europeia propôs esta quarta-feira a criação de um mecanismo na União Europeia (UE) relativo à recuperação e resolução das seguradoras, como existe para os bancos, com regras transfronteiriças para atuar perante eventuais dificuldades financeiras, protegendo os segurados.

Em causa está uma nova Diretiva para Recuperação e Resolução das Seguradoras, que visa "assegurar que as seguradoras e as autoridades competentes da UE estão mais bem preparadas em caso de dificuldades financeiras significativas", informa o executivo comunitário em comunicado.

Com novas regras semelhantes às que já existem para o setor bancário, cria-se então "um novo processo de resolução ordenada que protegerá melhor os tomadores de seguros, bem como a economia real, o sistema financeiro e, em última análise, os contribuintes", de acordo com a instituição.

Em concreto, "as autoridades nacionais estarão mais bem preparadas em caso de insolvência de uma companhia de seguros", acrescenta a Comissão Europeia, falando na "criação de colégios de resolução", que permitirão às "autoridades de supervisão e autoridades de resolução competentes tomarem medidas coordenadas, atempadas e decisivas para resolver os problemas que surjam no âmbito de grupos transfronteiras de seguros, assegurando o melhor resultado possível".

Isto permitirá, então, que as seguradoras, bem como as autoridades, tenham os meios para intervir cedo e rapidamente numa situação de crise, incluindo além-fronteiras, para proteger os compradores de seguros e para minimizar, ao mesmo tempo, o impacto no sistema financeiro e nos contribuintes.

A lei agora proposta -- e que será submetida ao Conselho e ao Parlamento Europeu -- baseia-se na diretiva de recuperação e resolução de bancos e no regulamento para a recuperação e resolução de contrapartes centrais, mas refletindo as atividades de seguros.

A UE dispõe já de uma diretiva em matéria de seguros, conhecida por «Solvência II», mas ainda não tem regras harmonizadas no caso de uma seguradora falhar, nomeadamente perante casos como falências.

É isso que o novo instrumento para recuperação e resolução das seguradoras pretende mudar, visando manter funções críticas de seguros para os segurados e assegurar uma transferência suave das suas carteiras de seguros, obtendo simultaneamente resultados semelhantes aos dos processos normais de insolvência em termos de atribuição de prejuízos aos acionistas e credores.

Previsto está, para isso, que sejam designadas autoridades nacionais de resolução em cada Estado-membro -- que podem ser bancos centrais nacionais, ministérios competentes, autoridades administrativas públicas ou outras autoridades investidas de poderes administrativos públicos -- e que haja novos instrumentos e poderes preventivos.

Também esta quarta-feira, a Comissão Europeia anunciou uma revisão das regras da regras da UE sobre seguros para incentivar a mais investimento por parte das companhias, estimando 90 mil milhões libertados para mercado de capitais pelo setor.

Em causa está uma revisão da Diretiva Solvência II, que entrou em vigor em 2016, para "proteger melhor os consumidores e garantir que as companhias de seguros mantenham a sua solidez, nomeadamente em períodos económicos difíceis", assinala a instituição à imprensa.

No que toca aos consumidores, o executivo comunitário quer que quem compra produtos de seguros seja "bem informado sobre a situação financeira da sua seguradora" e que quem o faz noutros Estados-membros esteja salvaguardado "graças a uma melhor cooperação entre as autoridades de supervisão".

Já relativamente às companhias de seguros, Bruxelas adianta que "as seguradoras serão incentivadas a investir mais em capital de longo prazo em benefício da economia".

Segundo as contas de Bruxelas, poderão ser libertados, a curto prazo na UE, até 90 mil milhões de euros para ajudar as seguradoras a aumentar a sua contribuição enquanto investidores privados para a recuperação da Europa na sequência da crise da covid-19.

Pesos pesados em queda atiram PSI-20 para terreno negativo
28/10/2021 08:21

Cloud híbrida: uma opção que ganha força
28/10/2021 08:03

5 coisas que precisa de saber para começar o dia
28/10/2021 07:30

Lucros da Samsung sobem 31,3% no terceiro trimestre e atingem 9.000 ME
28/10/2021 07:19

O poder de Marcelo, o alarme na banca e um "auf wiedersehen"
28/10/2021 07:01

Rangel desdramatiza audiência com Marcelo, recusa bloco central e prefere PSD sozinho a eleições
28/10/2021 01:07

Regulador aprova quatro listas candidatas à Associação Mutualista Montepio
27/10/2021 23:26

Wall Street faz pausa nos recordes em vésperas de contas da Apple e Amazon
27/10/2021 21:59

5G: Governo recorda que licitantes ficam sujeitos a obrigações de cobertura
27/10/2021 21:46

EDP termina parceria com a petrolífera argelina Sonatrach
27/10/2021 19:10

Marcelo recebe hoje Ferro e Costa. Partidos políticos serão ouvidos no sábado
27/10/2021 19:06

Costa garante estar "de consciência tranquila e cabeça erguida" com chumbo do OE 2022
27/10/2021 18:57

NOS vence leilão 5G com investimento de 165 milhões e mais espectro adquirido
27/10/2021 18:43

Leilão 5G chega ao fim após 200 dias
27/10/2021 17:55

Lucros da Jerónimo Martins crescem 48% para 324 milhões até setembro
27/10/2021 17:29

Lucros do BCP caem para 59,5 milhões de euros até setembro
27/10/2021 17:01

Quedas da Galp e do BCP arrastam PSI-20
27/10/2021 16:45

Pedro Reis: "As pessoas já não vão lá com sebastianismos"
27/10/2021 15:36

Tribunal recusa providência cautelar para travar despedimentos no Santander
27/10/2021 15:19

Gastos globais com e-commerce sobem à boleia do crescimento dos preços dos produtos
27/10/2021 14:55

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco