Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

FMI mantém previsão de crescimento mundial em 6% para este ano, mas com maior desigualdade
27/07/2021 15:50



As economias mais desenvolvidas devem registar este ano um crescimento de 5,6% (mais 0,5 pontos do que o previsto em abril), de acordo com as novas previsões económicas do FMI divulgadas esta terça-feira.

Os países emergentes devem ter um crescimento forte, de 6,3%, mas as perspetivas são revistas em baixa (de 0,4 pontos), o que se deve principalmente à Índia, penalizada pela variante Delta da covid-19.

O aumento dos preços observado no mundo inteiro está ligado a fatores essencialmente temporários, salientou o FMI, advertindo, no entanto, para os riscos de esta inflação persistir mais do que o esperado.

"O acesso às vacinas tornou-se a principal linha de rutura que divide a recuperação mundial em dois blocos", sublinha o FMI.

De um lado, a maior parte das economias avançadas, que têm acesso a vacinas e "podem esperar uma normalização da atividade este ano".

Do outro, os países que têm pouco ou nenhum acesso e que "permanecerão confrontados com um ressurgimento de infeções e o aumento do número de mortes associadas à covid-19".

Perto de 40% da população das economias avançadas está completamente vacinada, contra 11% nas economias de mercado emergentes e uma pequena parte da população dos países de rendimentos mais fracos, explica o FMI, que propôs recentemente um plano de 50 mil milhões de dólares para vacinar pelo menos 40% da população mundial até ao fim do ano.

"Direi que estamos mais preocupados do que estávamos em abril", disse à AFP Petya Koeva Brooks, diretora-adjunta do FMI.

O aparecimento de variantes mais contagiosas pode custar 4,5 biliões de dólares à economia mundial até 2025, alerta Gita Gopinath, economista-chefe do FMI, num texto divulgado hoje.

Os Estados Unidos devem registar um crescimento de 7% este ano (mais 0,6 pontos) e de 4,9% em 2022 (mais 1,4 pontos) graças aos planos de investimento maciço em infraestruturas e despesas sociais que podem ser em breve adotados no Congresso. O FMI destaca que este vigor económico deve ter repercussões positivas nos seus parceiros comerciais.

Na zona euro, o plano de relançamento "Next Generation" deve também estimular o crescimento, que deve atingir 4,6% em 2021 (mais 0,2 pontos). A situação deve igualmente ser melhor do que o previsto no Reino Unido, com um aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 7% (mais 1,7 pontos).

Na Índia, o crescimento esperado é de 9,5% (menos três pontos) e na China é de 8,1% (menos 0,3 pontos).

Gita Gopinath sublinha que "alguns mercados emergentes como Brasil, Hungria, México, Rússia e Turquia começaram também a subir as suas taxas de juro diretoras para travar a pressão de subida dos preços".

O FMI apela aos bancos centrais para manterem o apoio à economia e para não restringirem as suas políticas de imediato, considerando que "a inflação deve regressar aos níveis registados antes da pandemia na maior parte dos países em 2022", apesar do risco de as pressões transitórias poderem tornar-se mais persistentes".

O FMI espera para as economias desenvolvidas uma inflação de 2,4% em 2021 (mais 0,8 pontos) e de 5,4% (mais 0,5 pontos) nos países em desenvolvimento.

"A inflação deve continuar elevada até 2022 em alguns mercados emergentes e economias em desenvolvimento, em parte devido à pressão contínua sobre os preços dos alimentos e depreciações da moeda", segundo a economista-chefe do FMI.

O comércio internacional também deve ter um crescimento de 9,7% em 2021 (mais 1,3 pontos).

Para 2022, a previsão de crescimento mundial do PIB subiu para 4,9% (mais 0,5 pontos).


Baixos salários deixam 3 milhões de trabalhadores sem aquecimento na Europa. Portugal é o 4.º pior p
23/09/2021 00:16

Marcelo espera que Biden contribua com ações para o multilateralismo
23/09/2021 00:09

Construtora francesa de submarinos vai enviar "fatura" à Austrália
23/09/2021 00:06

Estabelecimentos na zona lisboeta de Santos vão encerrar três horas mais cedo
22/09/2021 23:24

Estado chinês "estará pronto para lidar" com Evergrande, diz João Moreira Rato
22/09/2021 22:16

Fed mantém política acomodatícia por agora. E Wall Street aplaude
22/09/2021 21:30

Fed mantém juros e sinaliza retirada de estímulos "em breve"
22/09/2021 19:07

Antigo deputado do PSD e ex-líder do Turismo do Porto preso por corrupção dedica-se ao desporto
22/09/2021 18:59

Covid-19: UE e EUA estabelecem objetivo de taxa global de vacinação de 70% até 2022
22/09/2021 18:52

Credores da Groundforce rejeitam liquidação. Empresa avança para plano de recuperação
22/09/2021 17:17

PSI-20 vive melhor sessão em 6 meses com BCP e Galp a subirem mais de 5%
22/09/2021 16:41

Santiago do Cacém no mapa de investimento espanhol de 850 milhões de euros em energia solar
22/09/2021 16:33

Trabalhadores dos impostos anunciam greve de 1 a 5 de dezembro
22/09/2021 16:21

Portugal dá mais tempo a Cabo Verde para pagar juros de empréstimos
22/09/2021 15:44

in-Store Media investe 15 milhões para crescer incluindo em Portugal
22/09/2021 15:22

Portugal regista mais 891 casos de covid-19 e 8 mortes nas últimas 24 horas
22/09/2021 15:06

Bruxelas cria mecanismo para atuar na recuperação e resolução das seguradoras na UE
22/09/2021 14:57

Dados da fintech do grupo Alibaba vão ser integrados no banco central chinês
22/09/2021 14:43

Bruxelas "acompanha de perto" subida dos preços da energia
22/09/2021 14:33

?Token? da seleção nacional chega à app da Socios.com
22/09/2021 14:19

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco