Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Mota-Engil propõe reduzir deliberações que precisam de aprovação de 70,01% dos acionistas
26-02-2021 23:01

A Mota-Engil comunicou hoje, junto da CMVM, que vai propor em AG, relativamente aos seus estatutos, que a maioria de pelo menos 70,01% dos votos emitidos no que respeita às deliberações de acionistas passe a aplicar-se apenas a matérias para as quais a própria lei já exige uma maioria qualificada.

 

Na quarta-feira, o grupo de António Mota disse que iria propor aos sócios uma alteração dos estatutos para reduzir o âmbito das deliberações que precisam da aprovação de 70,01% dos accionistas e hoje veio então esclarecer essa proposta.

 

"Excetua-se apenas o caso de qualquer (i) aquisição ou transmissão – mesmo que derivada da perda de controlo, fusão ou cisão de subsidiária – de participação social, de ativos ou de unidade de negócio, desde que o respetivo valor seja superior a 15%  do valor total do ativo consolidado da sociedade, bem como de (ii) decisão de cessar uma atividade ou de iniciar a prossecução de nova atividade, ainda que compreendida no objeto social, desde que o respetivo valor seja superior a 15% do valor do ativo total consolidado da sociedade", refere o comunicado.

 

A este respeito, "esclarece-se que nos últimos 5 anos apenas ocorreu uma operação do tipo das acima descritas de valor superior ao limiar indicado, o que significa que a exigência da maioria de 70,01% passará a ser imposta apenas para eventos de carácter manifestamente excecional, cuja magnitude justifica a necessidade de um consenso reforçado por parte dos acionistas".

 

"De salientar, a este respeito, a consagração da obrigatoriedade de distribuição de 50% do lucro do exercício, até ao limite de metade do lucro consolidado (salvo deliberação em contrário tomada por maioria de três quartos dos votos correspondentes ao capital social, qualquer que seja o capital detido pelos acionistas que votem contra, ou deliberação tomada por simples maioria, desde que sem votos contra de acionistas titulares de pelo menos 5% do capital social), o que manifestamente robustece o direito ao dividendo dos acionistas", adianta.

 

Os estatutos da Mota-Engil atualmente em vigor conferem a um acionista, ou grupo de acionistas, detentores de pelo menos 30% do capital social, o direito de obstarem à aprovação pela Assembleia Geral de deliberações sobre várias matérias, bem como o direito de designar 1/3 dos membros do órgão de administração, sendo certo que, quanto a um conjunto alargado de assuntos, a tomada de decisões, ao nível desse órgão, depende da não oposição de pelo menos 1/3 dos administradores.

 

"Havendo o risco de que a situação descrita possa ser encarada como indo além do objetivo de proteger os acionistas minoritários, o que poderia sujeitar a CCCC ao dever de lançar uma OPA caso ela viesse a tornar-se detentora de uma participação igual ou superior a 30% do capital social da Mota-Engil – o que, de resto, nunca chegaria a suceder, uma vez que o investimento por parte da CCCC está justamente condicionado a que a CMVM confirme que a transação não gera uma obrigação de OPA –, o conselho de administração deliberou propor aos sócios uma alteração dos estatutos da sociedade no sentido da redução daqueles direitos e de afastar tal risco", refere o documento divulgado esta noite.

 

O facto de os atuais estatutos da Mota-Engil darem aos acionistas com 30% do capital poderes especias em assembleias gerais "poderia sujeitar o futuro acionista CCCC ao dever de lançar uma OPA quando esta última vier a tornar-se detentora de uma participação igual ou superior a 30% do capital", da construtora, pelo que o conselho de administração da Mota-Engil "deliberou propor aos sócios uma alteração dos estatutos, no sentido da redução daqueles direitos e afastar tal risco", adiantou o grupo na quarta-feira.

 

Recorde-se que o aumento de capital da Mota-Engil que permitirá à China Communications Construction Company (CCCC) ficar com 30% do capital da construtora portuguesa deverá estar concluído no final de maio, podendo então o grupo chinês designar 1/3 dos membros do órgão de administração, como passou a ser possível com a alteração dos estatutos do grupo de António Mota.

 

No comunicado divulgado anteontem, a Mota-Engil dava ainda nota de que a CCCC tinha solicitado a confirmação por parte da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários que esta operação não lhe impõe uma obrigação de lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA), "na pressuposição de que os estatutos da Mota-Engil serão reformulados nos termos da proposta do seu conselho de administração".

 

Com efeito, uma das condições do acordo a que a Mota-Engil e o grupo chinês chegaram no ano passado é que a CMVM confirme que ele não impõe à CCCC uma obrigação de lançamento de OPA.

PJ faz buscas na Câmara Municipal de Lisboa
20-04-2021 14:18

Portugal com mais 424 casos de covid-19 e 5 óbitos
20-04-2021 14:05

ANA tem "pela primeira vez" resultados negativos em 2020
20-04-2021 13:21

As novidades do Salão Automóvel de Xangai que espera receber 1 milhão de visitantes
20-04-2021 13:18

Montijo ou Alcochete: ANA diz que lhe é "indiferente" a solução
20-04-2021 13:10

Claranet compra brasileira Mandic
20-04-2021 12:44

Mercadona constrói bloco logístico em Almeirim para servir Lisboa
20-04-2021 12:26

Circulação em Portugal na segunda-feira já foi igual ou superior à era pré-covid
20-04-2021 12:23

Exportações de vinhos cresceram 3% até fevereiro apesar de quebra nos principais destinos
20-04-2021 12:11

Bruxelas multa três empresas ferroviárias da UE em 48 milhões de euros por cartel
20-04-2021 12:02

Região de Setúbal diz que há impactos do aeroporto do Montijo que "não são mitigáveis"
20-04-2021 11:48

Banca aperta critérios de concessão de crédito no arranque do ano
20-04-2021 11:16

Biden equaciona cortar níveis de nicotina nos EUA. Dona da Marlboro perde 6 mil milhões num dia
20-04-2021 11:08

Número de desempregados inscritos é o mais alto em quase quatro anos
20-04-2021 10:57

Novo Banco: Aberta investigação sumária devido a divulgação de relatório secreto do Banco de Portuga
20-04-2021 10:48

Taiwan vende vacinas AstraZeneca a 17 euros para evitar que expirem
20-04-2021 10:21

Banco de Inglaterra junta-se aos pares no estudo de uma moeda digital
20-04-2021 09:49

Laschet é a escolha da CDU para suceder a Merkel à frente do governo alemão
20-04-2021 09:48

236 mil contribuintes já receberam reembolso de IRS
20-04-2021 09:15

Governo quer contrato do SIRESP mais seis meses mas Altice recusa renovar
20-04-2021 08:57

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco