Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Bruxelas assinou contrato de 336 milhões com AstraZeneca e exige cumprimento
27/01/2021 14:57

"Ao todo, foram alocados 336 milhões de euros ao contrato com a AstraZeneca. Ainda nem tudo foi pago porque há tranches relacionadas com o avanço do processo", informou num encontro com jornalistas um alto funcionário da Comissão Europeia ligado ao caso.

O responsável explicou que este valor refere-se a "uma série de despesas relacionadas com a produção" das vacinas contra a covid-19.

"O que fazemos é apoiar a empresa e pagar parte dessas despesas e depois esse valor é deduzido no preço cobrado aos Estados-membros" pelas vacinas encomendadas por cada um, referiu a mesma fonte.

E vincou: "A vacina da AstraZeneca deveria ser a mais expressiva na União Europeia [UE] e é inaceitável que as doses acordadas para este trimestre tenham sido reduzidas, na ordem dos três dígitos para um quarto do que estava previsto".

Em agosto de 2020, a Comissão Europeia assinou um contrato com a farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca para aquisição de 300 milhões de doses da vacina contra a covid-19 produzida em colaboração com a universidade de Oxford, com uma opção de mais 100 milhões de doses.

Porém, na semana passada, a AstraZeneca anunciou que pretende entregar doses consideravelmente menores, nas próximas semanas, do que acordado com a UE, o que Bruxelas entende ser inaceitável e uma possível violação do contrato.

A Agência Europeia de Medicamentos recebeu, em meados deste mês, um pedido para aprovação da vacina da AstraZeneca com a universidade de Oxford, devendo dar 'luz verde' a este fármaco até final da semana.

"Não estamos a disputar um ou outro aspeto do contrato, queremos ter as vacinas e encontrar uma boa solução com a companhia", disse a mesma fonte comunitária.

Um outro alto responsável da Comissão Europeia indicou que a instituição está "em contacto com a companhia para tornar o contrato público", apesar da cláusula de confidencialidade, dado o interesse do caso e as declarações entretanto feitas pela empresa.

"Há certas cláusulas que estão a ser faladas no espaço público", justificou este funcionário.

Em causa está a entrevista dada hoje pelo presidente executivo da AstraZeneca, Pascal Soriot, a uma série de meios de comunicação europeus, argumentando que a UE não podia reclamar o fornecimento tardio da vacina contra a covid-19 dado ter assinado o contrato três meses depois dos britânicos.

O Reino Unido, que já não faz parte da UE, está mais avançado no processo de vacinação, nomeadamente devido à vacina da AstraZeneca com a universidade de Oxford, para a qual o governo britânico encomendou 100 milhões de doses.

"Não quero indicar já que houve uma violação do contrato, mas é surpreendente que um responsável da companhia comece a referir cláusulas do contrato e a tirar conclusões disso. Talvez tenhamos diferentes visões e é por isso que queremos tornar o contrato público, para que as pessoas façam a sua leitura", adiantou ainda outra fonte comunitária.

E vincou: "Uma violação do contrato tem consequências".

Para esta noite, está marcada uma reunião por videoconferência entre a Comissão Europeia e a AstraZeneca.

Além da UE e do Reino Unido, também os Estados Unidos encomendaram 300 milhões de doses da vacina da AstraZeneca.

O bloco comunitário já ameaçou restringir as exportações para países terceiros das vacinas que integram o portefólio da Comissão Europeia para evitar este tipo de problemas na entrega.

Este foi o primeiro contrato assinado por Bruxelas com uma farmacêutica para aquisição de vacinas contra a covid-19 de um total de oito já existentes.

Plataforma contra aeroporto no Montijo acusa Governo de ignorar 1.170 pareceres negativos
08/03/2021 23:55

Sindicato de médicos alerta para pressão imposta por decreto do estado de emergência
08/03/2021 22:26

Supremo Administrativo dá 'luz verde' à contratação de enfermeiros estrangeiros
08/03/2021 21:34

Dow Jones faz a festa com estímulos de Biden. S&P 500 e Nasdaq ficam de fora
08/03/2021 21:23

ANECRA: É "fundamental" que comércio automóvel esteja na 1.ª fase do desconfinamento
08/03/2021 20:40

Incompetência pública
08/03/2021 20:20

Morreu o antigo vice-presidente do CDS-PP Nuno Fernandes Thomaz
08/03/2021 20:02

Câmara do Porto admite exercer direito de preferência sobre ex-hospital Maria Pia
08/03/2021 19:50

PRR: boa ou má despesa?
08/03/2021 19:30

Supremo anula condenações de Lula da Silva relacionadas com Lava Jato
08/03/2021 19:00

CEO do Twitter vende primeiro tweet como arte digital. Maior oferta já chega aos 2,5 milhões
08/03/2021 18:00

Donos da Juventus compram 24% da Louboutin por 541 milhões
08/03/2021 17:41

Eurest avança com despedimento coletivo de 146 trabalhadores
08/03/2021 17:10

Bolsa de Lisboa avança pelo segundo dia com BCP e grupo EDP a darem força
08/03/2021 16:46

Covid-19: Portugal continua alto em números globais por milhão, desce em novos casos e mortes
08/03/2021 16:31

Presidente da Comissão Europeia diz que outros países da UE podem bloquear exportações de vacinas
08/03/2021 16:26

Quantos casos de covid teve o seu concelho de 17 de fevereiro a 2 de março?
08/03/2021 15:33

Já não há concelhos em risco extremo e apenas oito estão em risco muito elevado. Veja no mapa o seu
08/03/2021 15:29

GameStop dispara 20% depois de anunciar gestor para a venda online de jogos
08/03/2021 15:22

Mastercard escolhe Maria Antónia Saldanha para líder em Portugal
08/03/2021 14:56

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco