Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

A reinvenção do trabalho
25-10-2020 21:10

Os sindicatos deixaram praticamente de se ouvir nestes terríveis meses de pandemia. Não será certamente por falta de razões para protestar. A instabilidade laboral, a fragilidade das empresas e os perigos que espreitam os trabalhadores, a quebra de rendimento das famílias seja por novas situações de desemprego ou por recurso ao "layoff", a incerteza sobre o futuro próximo em milhares de pequenas unidades empresariais que vivem da sua atividade diária e que não resistem a pequenos abalos de tesouraria, são apenas exemplos da turbulência que vive o mercado de trabalho.

 

Todos conhecemos casos de pessoas que, depois de tanto tempo passado, ainda estão em casa em teletrabalho ou, como é o caso de muitos funcionários públicos, aguardando que cheguem ordens para se apresentar no serviço onde ou nunca mais foram ou apenas comparecem de forma intermitente e escalonada. Num país em que o aumento da produtividade é condição fundamental para o desenvolvimento e para o aumento da riqueza, fácil será concluir que a nossa situação económica - do Estado, das empresas ou de cada um de nós - sofrerá um dano de consequências ainda difíceis de prever.

 

Recentemente o empresário mexicano Carlos Slim avançou em Espanha com algumas ideias sobre formas de enfrentar problemas que a pandemia acentuou. Combater o desemprego, as dificuldades das empresas ou o esforço brutal a que os cofres da segurança social estarão sujeitos, pode ser combatido com novas estruturas organizacionais mais simples e menos hierarquizadas, com novas jornadas de trabalho de 33 horas prestadas em apenas 3 dias por semana, na possibilidade de quem quiser recorrer a mais do que um emprego ou ainda no retardar da idade de reforma para depois dos 70 anos.

 

Estas ideias, ou outras de natureza idêntica, são obviamente mal acolhidas por todos quantos beneficiam de uma situação de estabilidade laboral. O problema é que isso provavelmente não vai ser possível continuar a assegurar durante muitos anos. E até o Estado, onde até hoje o emprego é garantido para toda a vida, terá de se adaptar a novos modelos organizativos. Remunerar o trabalho efetivamente prestado vai passar a ser mais relevante do que garantir o emprego. E num país que precisa das duas coisas, deveriam ser compensados todos os que o conseguissem fazer. Os trabalhadores deveriam ser beneficiados pelos acréscimos de produção e os empresários pela criação e manutenção de emprego. A fiscalidade, entre outros instrumentos de política orçamental, poderá ajudar a cumprir este objetivo.

 

Mas para que isto aconteça as mentalidades terão de mudar. A livre iniciativa e a possibilidade de escolher caminhos diferentes deverá ser discutida em todos os setores de atividade sejam públicos, privados ou associativos. Aceitar que sejam colocadas em causa algumas visões tradicionais de "conforto" e a irreversibilidade de alguns direitos tem de ser possível. Muitos dirão que lá estão os capitalistas abutres a falar. Pode ser até que, como sempre, haja quem se aproveite de forma imoral destes novos modelos. Mas a verdade é que não são medidas padronizadas e impostas de forma administrativa pelo Governo que resolvem os problemas. De que serve impor o aumento do salário mínimo quando muitas empresas não o vão conseguir pagar. Mas que bom seria que outras tantas empresas, não se agarrassem à fixação deste mesmo salário mínimo para pagar menos do que podem. A economia é dinâmica e precisa tanto de estímulos quanto de inovação e capacidade de assumir riscos. Só assim nascem e se consolidam empresas, só assim se criam empregos e riqueza. Está na hora de aceitar a mudança de paradigma. Antes que nos deixemos ficar ainda mais para trás.

 

Jurista

5G: Altice Portugal avança com processos judiciais contra Anacom e duas queixas em Bruxelas
23-11-2020 18:50

Governo vai ter de divulgar anualmente apoios ao hidrogénio
23-11-2020 18:36

Guimarães com mais de 250 novos casos por dia. Veja no mapa a situação no seu concelho
23-11-2020 18:27

Quantos casos de covid se registaram no seu concelho de 6 a 19 de novembro?
23-11-2020 18:23

Oposição aprova cinco milhões para o Pinhal de Leiria
23-11-2020 18:18

Parlamento chumba aumento para o dobro de multas por falta de limpeza das matas
23-11-2020 17:50

Empresários e académicos dizem que política para a bitola ferroviária europeia é "ilegal"
23-11-2020 17:33

Governo baixa valores que operadores pagam pelo especto
23-11-2020 17:22

Covid-19: Público vai regressar aos estádios ingleses a partir de 2 dezembro
23-11-2020 17:15

Covid-19: Impacto em Portugal da reestruturação na Danone não está definido
23-11-2020 16:55

PSI-20 acelerou para máximo de três meses com Galp a dar energia
23-11-2020 16:42

Parlamento aprova criação de linha de apoio à tesouraria para micro e pequenas empresas
23-11-2020 16:22

Proibidas linhas de valor acrescentado como única forma de contacto dos clientes
23-11-2020 16:20

Em Portugal os mais velhos e os casados têm mais poder de compra do que os jovens e os solteiros
23-11-2020 16:03

Há mais de seis milhões de contratos de seguros a beneficiar de medidas de apoio
23-11-2020 15:50

Há nove concelhos com mais de 2 mil casos por 100 mil habitantes. Paços de Ferreira já não é o pior
23-11-2020 15:37

Portugal com mais 4.044 casos e 74 mortes devido à covid-19
23-11-2020 15:04

Mais de 160 mil casas vendidas em Portugal em 2020
23-11-2020 14:29

Brexit: Sessão extraordinária no Parlamento Europeu a 28 de dezembro para aprovar eventual acordo
23-11-2020 13:56

Costa admite solução de "geometrias variáveis" para o futuro da União Europeia
23-11-2020 13:28

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco