Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Obrigatório
01/10/2020 19:25

É evidente que não pode existir uma crise política.

Com toda a situação que se vive, com a próxima presidência portuguesa da União Europeia, com o impedimento constitucional de dissolução do Parlamento, durante os próximos tempos, nada permite uma inconsciência dessas.

O Presidente da República tem explicado bem e insistido bastante na apresentação das razões pelas quais é inconcebível que tal aconteça. Talvez tenha sido demasiadamente crédulo quando afirmou que era natural e provável a viabilização com os parceiros parlamentares à esquerda do PS. Mas, na verdade, era, e ainda é. E ainda mais passou a ser quando António Costa declarou, há pouco tempo, ser impossível o Governo depender, para a sua continuidade, do apoio do PSD. Por outro lado, o PCP, ciente dos prejuízos eleitorais que a chamada geringonça lhe causou, afastou-se e prefere não entrar em novos acordos, tendo apresentado um caderno de encargos muito exigente.

Tudo junto deu muita força ao Bloco de Esquerda e toda essa força, para o OE ser aprovado, só se pode traduzir na exigência de medidas que vão em sentido inverso àquele que é mais conveniente para a economia portuguesa.

É difícil que assim não seja. É difícil, para não dizer impossível, que o BE se bata por medidas que favoreçam o investimento privado, nomeadamente estrangeiro. Por isso mesmo, deve haver maior abertura do Governo, e do PS, para se dar início a um novo ciclo político. Novo ciclo não significa, forçosamente, novo governo. Mas pode significar um novo quadro de entendimento parlamentar.

Bem sei que por vezes acontece o inacreditável. Ouvi uma entrevista de um vice-presidente do PSD, na TVI 24, esta semana. Percebi a argumentação. Mas seja o que for que cada um tenha dito – Presidente, primeiro-ministro e oposição –, têm de esquecer as palavras menos adequadas que utilizaram e tudo fazer para assegurar que, pelo menos, até final do primeiro semestre de 2021, teremos Governo em plenitude de funções. É o que se exige pelo mais elementar sentido de responsabilidade e pelo devido respeito pelo interesse da pátria. 

Marques Mendes: Recolher obrigatório em Portugal vai ser "inevitável"
25/10/2020 21:32

A reinvenção do trabalho
25/10/2020 21:10

Joacine entre a abstenção e o voto a favor
25/10/2020 21:03

Bloco de Esquerda vota contra Orçamento
25/10/2020 20:40

PS vence eleições nos Açores mas não há certeza de maioria absoluta
25/10/2020 20:10

PAN vai abster-se no Orçamento para 2021
25/10/2020 19:01

Casa Branca admite que EUA não poderão controlar a pandemia
25/10/2020 18:31

Espanha declara estado de emergência e recolher obrigatório
25/10/2020 16:22

Investidores preparam-se para o impacto dos dados das vacinas
25/10/2020 16:00

João Almeida, o miúdo seguro e tranquilo com qualidade de líder
25/10/2020 15:57

No regresso da Fórmula 1 a Portugal, Hamilton vence e torna-se no mais vitorioso de sempre
25/10/2020 15:17

Rendas de apartamentos descem nas cidades mais ricas do mundo
25/10/2020 15:00

Mais 2.577 novos casos e mais 19 óbitos em Portugal
25/10/2020 14:20

Açores/Eleições: Afluência às urnas de 9,16 por cento às 11:00 locais
25/10/2020 13:48

Espanha em estado de emergência obriga a confinamento noturno
25/10/2020 13:06

Itália encerra teatros e cinemas e obriga bares e restaurantes a fechar às 18 horas
25/10/2020 12:43

ADSE não tem pressa na cobrança das regularizações. ?Primeiro quero fechar as tabelas?
25/10/2020 12:00

Seis jornalistas detidos em manifestação em Luanda
25/10/2020 11:34

Bancos preparam-se para ?big bang? em troca de 80 biliões em swaps
25/10/2020 11:00

Dia D para Orçamento do Estado para 2021
25/10/2020 10:54

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco