Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Mortes excessivas, a Democracia e o Turismo
04-08-2020 17:42

O Governo, não querendo investir o suficiente, redirecionou muitos recursos necessários a outros tratamentos e doenças para o combate ao Covid. O resultado tem sido uma enorme mortalidade excessiva significando a morte de muitos portugueses que de outra forma teriam sido salvos.

Só em Julho morreram mais do que a média habitual para este mês mais 2.105 pessoas! Destas de Covid-19 apenas 159 pessoas. Nos meses anteriores a realidade não foi muito diferente. A verdadeira mortalidade não está no Covid mas nas outras mortes causadas pela política de redireccionamento de recursos e de restrição de acesso a cuidados de saúde. Mau. Simplesmente muito mau.

Segundo o EuroMomo, entidade europeia que monitoriza a mortalidade na União Europeia, na 29ª semana do ano (entre 14 e 21 de Julho) Portugal foi o país do grupo de países seguidos pela organização, com mais mortes excessivas e o único classificado na pior categoria a de "Excesso Extremamente Alto". Os dados são públicos e estão no site da instituição. Muito preocupante.

Mas, argumentar-se-ia, no que toca ao Covid-19 acabou por ser positivo porque manteve a infeção a níveis baixos salvando a economia. Infelizmente não foi assim. Pelos dados recentes verificamos que Portugal foi dos países em que a economia mais se contraiu no segundo trimestre de 2020 (ficando em 24º em 27 países da União Europeia). Também o desastre infecioso não passou desapercebido aos outros países europeus que não permitem aos seus nacionais fazerem férias em Portugal sem depois se sujeitarem à quarentena necessária a quem visita países de alto risco.

Tudo isto tem sido um choque para os que acreditavam nas fábulas difundidas pelo Governo que nos iludiam com um milagre português, porque habilmente se comparavam aos piores e não aos melhores.

Vemos nos EUA, no Reino Unido e noutros países uma imprensa livre, escrutinando os seus governos, criticando as políticas oficiais, propondo alternativas. Em Portugal a tradição de uma colagem excessiva da comunicação social ao Governo, em nome de uma unidade nacional, acaba por ser contraproducente.

Principalmente porque no estrangeiro se conhece a verdade e se age de acordo com os números que a maioria dos portugueses desconhece.

O turismo acabou por ser vítima desta ilusão coletiva. As más políticas, o desconfinamento precoce, os transportes públicos apinhados, as periferias insalobras, colocam Portugal entre os países em que a infeção mais prolifera na Europa.

Sem contraditório interno o Governo prosseguiu a sua política incorreta. Naturalmente as consequências vieram de fora, pela voz dos Governos estrangeiros restringindo a vinda dos seus cidadãos e dando uma forte machadada no nosso Turismo e na nossa economia.

O Governo anuncia agora a diminuição dos testes. Mais um erro. Em vez de atuar onde é necessário para diminuir a propagação da doença nos bairros periféricos, reduz os testes. Preparemo-nos para o pior.

No Ministério da Saúde muitos dos responsáveis políticos e administrativos têm sido incansáveis e bem-intencionados mas limitados por orientações essencialmente erradas o seu esforço torna-se muito pouco eficaz.

Em resumo a desastrosa atuação do Governo, longe da excelência propagada, reduziu a oferta de saúde o que explica a morte desnecessária de milhares de portugueses, provocou a maior contração do PIB dos últimos 50 anos, afastou os turistas de Portugal, reorientando-os para outras paragens – Turquia, Grécia, norte de África, etc.. É possível fazer pior? Tudo isto com o apoio complacente do Presidente da República e da maioria dos líderes oposicionistas. De facto um milagre. Não é possível fazer pior.

 

Conhecimento através de uma plataforma de WhatsApp
30-09-2020 17:49

Pedro Nuno Santos: A "TAP é do povo português para o bem e para o mal"
30-09-2020 17:40

Nos já recebeu 375 milhões pela venda de torres à Cellnex
30-09-2020 17:34

EUA avisam Itália que a China quer ter presença estratégica na Europa
30-09-2020 16:56

IVA gasto em alguns setores vai poder ser recuperado nas compras seguintes
30-09-2020 16:54

Energia dá brilho ao PSI-20 no mês mais negro desde março
30-09-2020 16:43

Portugal Digital Awards é o principal prémio de transformação digital
30-09-2020 16:30

Morreu Quino, o criador de Mafalda
30-09-2020 16:20

Metade dos portugueses só quer ir ao escritório dois ou três dias por semana
30-09-2020 16:15

Os heróis anónimos dos sistemas de informação
30-09-2020 16:00

Continental põe 30 mil empregos em risco com Portugal de fora
30-09-2020 15:59

Tribunal da Concorrência confirma condenação da EDP e Sonae por pacto de não concorrência
30-09-2020 15:39

Pedro Faustino: ?O palco por excelência da economia digital em Portugal?
30-09-2020 15:30

Rio acusa Governo de passividade na resposta aos doentes não covid
30-09-2020 15:09

Finerge compra seis parques solares em Portugal
30-09-2020 14:55

O júri e o Comité Especial de Júri
30-09-2020 14:30

Novo lay-off vai apoiar empresas com quebras de faturação a partir de 25%. Apoios podem chegar a 100
30-09-2020 14:22

Casos de covid-19 em Portugal aumentam 825 e morreram mais oito pessoas
30-09-2020 14:03

Os testemunhos de quem ganhou o Portugal Digital Awards
30-09-2020 14:00

Governo lança nova linha de crédito de 400 milhões para médias empresas
30-09-2020 13:46

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco