Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Movimento nos portos diminui 9,3% em cinco meses
15/07/2020 09:30

Em comunicado divulgado hoje, a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) explica a "queda acentuada" na atividade portuária com a pandemia de covid-19 e a situação de calamidade que agravou "de forma significativa o movimento portuário em maio", mês em que a carga movimentada caiu 29% face ao mesmo mês de 2019.

De acordo com a AMT, a generalidade dos portos regista decréscimos na tonelagem de carga que ascendem a menos 3,49 milhões de toneladas, com Sines (menos 9,27%) e Lisboa (menos 23,2%) a serem responsáveis por uma quebra total de 2,9 milhões de toneladas, o que representa aproximadamente 80% das quebras.

Setúbal (menos 6,4%), Leixões (menos 5%) e Aveiro (menos 4,4%) também registaram quebras entre janeiro e maio, período onde apenas os portos de menor dimensão, Faro, Figueira da Foz e Viana do Castelo tiveram crescimentos de 27,1%, 12,1% e 1,6%, respetivamente.

As cargas, de acordo com a AMT, foram "claramente penalizadas pela crise pandémica" que originou um abrandamento da atividade industrial no país.

As operações de petróleo bruto e produtos petrolíferos em Leixões e Sines foram a principal responsável pela quebra global na movimentação portuária registada neste período, onde se verificou uma quebra acentuada na procura de combustíveis nos mercados nacional e internacional.

Só em abril e maio, os produtos petrolíferos nos portos de Leixões e Sines registaram uma diminuição de 938,9 mil toneladas, o que corresponde a uma quebra de 28,1% em relação ao período homólogo de 2019.

Também a carga 'ro-ro', que se traduz por qualquer tipo de carga que embarca e desembarca a rolar sobre as suas próprias rodas ou equipamentos concebidos para o efeito, foi severamente impactada pela pandemia, através da suspensão temporária da produção da indústria automóvel entre meados de março e final de abril, especialmente na Autoeuropa, em Palmela, e na PSA, em Mangualde, que se traduziram numa diminuição na exportação de automóveis e, consequentemente, do respetivo movimento portuário em Setúbal e Leixões.

"Sem relação direta com o surto pandémico de covid-19", a AMT assinala que o comportamento do mercado de carvão, em Sines (menos 1,54 milhões de toneladas), e o da carga contentorizada, em Lisboa (menos 783,3 mil toneladas) foram os que mais contribuíram para o desempenho negativo global do sistema portuário do continente, representando, em conjunto, 53,7% do total de 4,3 milhões de toneladas perdidas.

Desta forma, depois de registar uma diminuição global de 9,7% entre janeiro e maio, o porto de Sines volta a deter uma quota inferior a metade do total nacional (49,3%, menos 0,3 face ao período homólogo de 2019), depois de ter recuperado, ao fim de dois anos, a 'maioria absoluta' nos primeiros quatro meses deste ano, quando atingiu 50,8% de quota.

Seguem-se os portos de Leixões (23%), Lisboa (10,5%), Setúbal (7,9%, Aveiro (6,2%), Figueira da Foz (2,4%), Viana do Castelo (0,5%) e Faro (0,1%).

Em termos globais, o porto de Sines apresenta variações positivas apenas no mercado de petróleo bruto (10,2%) e no residual de carga 'ro-ro' (3,7%) que, no entanto, representa apenas 0,1% do volume movimentado no porto alentejano.

Leixões, por sua vez, regista variações positivas no mercado da carga contentorizada (4,7%), a melhor marca de sempre nos períodos homólogos, assim como na carga fracionada (0,9%), minérios (16,3%), sendo penalizado nos produtos petrolíferos (menos 23,1%) e no segmento de outros granéis sólidos (menos 16,5%).

Por sua vez, Lisboa regista uma variação positiva apenas nos produtos agrícolas (5,7%), sendo fortemente penalizada na carga contentorizada (menos 41,3%) e nos outros granéis sólidos (menos 30,5%), com os restantes segmentos a perderem 149,3 mil toneladas.

O porto de Setúbal apresenta resultados positivos na carga contentorizada (5,9%), minérios (7,8%), produtos agrícolas (11,3 mil toneladas num segmento sem registo de movimentos em 2019) e produtos petrolíferos (8,5%).

Em Aveiro, destacaram-se pela positiva o segmento de outros granéis sólidos (5,2%), carga fracionada (3,4%) e outros granéis líquidos (0,7%), sendo este o mais elevado de sempre nos períodos homólogos, mas o mercado dos produtos petrolíferos caiu 40,7% e o dos produtos agrícolas retraiu 10,7%. 

No mesmo período de janeiro a maio deste ano, o segmento dos contentores registou uma quebra de 6,6% face ao mesmo período de 2019, apesar do comportamento positivo dos portos de Leixões (3,4%) e de Setúbal (7,9%) neste setor. 

O registo negativo dos contentores assenta, portanto, nas flutuações negativas de Lisboa (40,9%), Figueira da Foz (24,7%) e Sines (2,1%).

Ainda neste mercado, a AMT refere que o porto de Sines mantém a liderança a nível nacional com 56,3% dos movimentos, seguido de Leixões (27%), Lisboa (10%), Setúbal (6,1%) e Figueira da Foz (0,6%).

Também em relação ao número de escalas de navios de todas as tipologias, o conjunto de portos nacionais registou 3.970 escalas nos primeiros cinco meses deste ano, o que representa um recuo de 498 escalas (9,7%) face ao período homólogo de 2019 e uma arqueação bruta de cerca de 71,9 milhões, menos 14,6% face a igual período do ano anterior.

A AMT justifica este recuo com o comportamento "fortemente condicionado por Lisboa", que viu o número de escalas recuar 29% (304 no total), o que se explica com a menor quantidade de navios a operar carga e também com o cancelamento de 121 escalas de navios de cruzeiro que estavam previstas entre meados de março e maio, em que vigorou o estado de emergência e de calamidade.

Portimão (menos 17 escalas) e Douro e Leixões (menos 49 escalas) também registaram diminuições, enquanto apenas a Figueira da Foz (mais 20 escalas) e Faro (mais seis escalas) contrariaram a tendência negativa.

 Os portos de Douro e Leixões detêm a quota mais elevada de escalas no total dos cinco meses, com 26%, seguido de Sines (21,1%), Lisboa (18,8%), Setúbal (16,2%), Aveiro (10,3%) e Figueira da Foz (5%).

No que diz respeito ao fluxo de embarque, que inclui a carga de exportação, o comportamento negativo é influenciado pelos desempenhos dos mercados de carga contentorizada de Lisboa, de produtos petrolíferos em Leixões e dos outros granéis sólidos em Lisboa e Setúbal, com um decréscimo de 1,04 milhões de toneladas (66% do total de carga de embarque perdida).

Nas operações de desembarque, a AMT destaca o comportamento negativo do carvão, responsável por 50,9% das perdas, mas também os produtos petrolíferos em Sines (14%) e a carga contentorizada em Lisboa (7,8%).

O petróleo bruto, em Sines, constitui a influência mais positiva, representando 35,3% dos acréscimos totais.

A finalizar, a AMT conclui que Faro (100%), Viana do Castelo (70,9%), Figueira da Foz (63,1%) e Setúbal (50,9%) são os portos que apresentam um perfil de "porto exportador".

EUA anunciam sanções a empresa chinesa por ajudar regime venezuelano
30/11/2020 21:35

Era Biden dá melhor mês de sempre ao S&P 500 e Dow não ganhava tanto desde 1987
30/11/2020 21:30

Eurogrupo chega a acordo sobre reforma do MEE e 'backstop' para Fundo Único de Resolução
30/11/2020 21:07

Pilotos da TPA entregam providência cautelar para ver informação que suporta despedimentos
30/11/2020 20:24

Leia a carta em que Mexia diz que saída da EDP é a "mais difícil decisão da minha vida profissional"
30/11/2020 19:46

Em 175 concelhos, a incidência da covid aumentou numa semana. Veja no mapa como está o seu
30/11/2020 19:30

FMI: Zona Euro precisa de extensão de apoios com segunda vaga de covid
30/11/2020 18:59

EDP convoca AG para escolher novo "board". Mexia fica de fora
30/11/2020 18:50

Mantida isenção do IVA das máscaras para aquisições entre outubro e abril
30/11/2020 18:34

TAP: Sindicato do pessoal de voo pede audiências urgentes com partidos
30/11/2020 18:13

Bitcoin atinge máximo histórico de olhos postos nos 20.000 dólares
30/11/2020 18:11

CE: Controlos de fronteiras na UE ineficazes contra covid-19 e terrorismo
30/11/2020 18:05

HiPay: Portugueses aumentam em 40% as compras na Black Friday
30/11/2020 17:43

Covid-19: OMS reconhece descida nos novos casos na Europa mas recomenda cautela
30/11/2020 17:26

Presidenciais: João Ferreira desafia Marcelo a assumir candidatura "quanto antes"
30/11/2020 17:16

OPEP deixa para amanhã decisão de prolongamento dos cortes de produção
30/11/2020 17:02

PSI-20 descarrila com Mota-Engil a afundar 15% e Galp e EDP a deslizarem
30/11/2020 16:51

Mota-Engil ganha contrato de 72 milhões de euros na Polónia
30/11/2020 16:47

Portugal com mais 3.262 casos de covid-19 e 78 óbitos
30/11/2020 15:58

Morte ao Homem Branco Racista e Colonialista
30/11/2020 15:14

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco