Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Casas da Segurança Social: Tribunal de Contas considera "inaceitáveis" reações de Medina
21/01/2020 19:18

O Tribunal de Contas (TdC) "reafirma que enquanto órgão independente atua em estrita conformidade com a Constituição e a Lei, com neutralidade política, isenção e imparcialidade". Num esclarecimento publicado esta terça-feira no seu site a instituição liderada por Vítor Caldeira (na foto) reagiu desta forma à polémica que estalou na passada semana na sequência de uma auditoria realizada à gestão do património da Segurança Social.
 
"O Tribunal respeita eventuais opiniões divergentes em relação aos seus relatórios ou decisões, mas considera inaceitáveis tomadas de posição públicas que não respeitem institucionalmente o Tribunal enquanto órgão de soberania, os seus juízes e os seus técnicos", acrescenta a nota, onde não são referidos nomes nem citadas quaisquer "opiniões" ou "tomadas de posição". Estas, porém, são conhecidas.
 
Na sequência da divulgação das conclusões da auditoria, tanto o Governo como Fernando Medina, presidente da câmara de Lisboa, vieram a público manifestar o seu desagrado. Medina foi o mais crítico e classificou o relatório como "tecnicamente incompetente" e "lamentável a todos os títulos", no qual, disse, o TdC estava "a fazer política, não tendo sido eleito para isso".
 
Em causa, recorde-se, está a venda de 11 edifícios da Segurança Social à autarquia, que neles pretende criar e disponibilizar habitação para arrendamento a renda acessível e residências para estudantes. As conclusões da auditoria foram demolidoras: o negócio não só "não assegurou, com elevado grau de verosimilhança, a receita expectável para o Fundo de Estabilização Financeira" da Segurança social, como privilegiou "a prossecução de uma política de arrendamento acessível em detrimento da receita e consequente sustentabilidade da Segurança social".
 
Medina Reagiu de forma intempestiva. Convocou uma conferência de imprensa e questionou: "Sejamos claros. O Tribunal de Contas avaliou uma operação, avaliou todo o seu conteúdo, os contratos, as avaliações e deu visto favorável à compra pela Câmara Municipal de Lisboa de 11 imóveis da Segurança Social. E o mesmo Tribunal de Contas vem uns meses depois, num outro relatório, de outra secção do Tribunal de Contas, tecer fortíssimas críticas à operação".Pouco antes, através de um comunicado enviado às redações, também o Governo levantara a mesma questão. "A transação foi realizada após visto prévio favorável do Tribunal de Contas", escrevia fonte oficial do gabinete de Ana Mendes Godinho.
 
Logo na altura, questionado pelo Negócios, o TdC veio, através do gabinete de imprensa, explicar que "a fiscalização prévia aprecia a legalidade estrita da ação de compra e venda dos imóveis"; já auditoria de resultados, "teve por objeto verificar em que medida a gestão do património da Segurança Social foi proveitosa para a Segurança Social, tendo presente as suas responsabilidades para com os pensionistas".
 
A mesma justificação é agora de novo avançada na nota publicada no site: "a atuação do Tribunal foi coerente e conforme à lei: apreciou, no âmbito da fiscalização prévia, a legalidade de um contrato gerador de despesa no Município de Lisboa e realizou uma auditoria, de âmbito alargado, à gestão e alienação do património da Segurança Social."
 

Lucros da Merlin Properties sobem 9% em 2019
28/02/2020 00:23

Há mais um cidadão português infetado por coronavírus no estrangeiro
27/02/2020 21:39

Wall Street em mínimos de quatro meses. Dow e S&P 500 já estão em território de correção
27/02/2020 21:06

Apritel contesta conclusões da Anacom sobre preço das telecomunicações
27/02/2020 20:58

DGS sem registos positivos de coronavírus mas ainda aguarda resultados de um hospital
27/02/2020 20:18

Capital Group reduz posição na REN para 1,92%
27/02/2020 19:52

Conferência de programadores do Facebook é só em Maio. Mas será por videoconferência devido ao vírus
27/02/2020 18:54

Parlamento aprova na generalidade limites às comissões no MBWay
27/02/2020 17:48

Excedente orçamental encolhe em 238,5 milhões em janeiro
27/02/2020 17:41

Lisboa em mínimos. Galp tem a maior queda intradiária desde 2017
27/02/2020 16:42

Huawei vai investir 200 milhões numa fábrica em França para desenvolver 5G
27/02/2020 15:59

Europa tem nova recaída e afunda 4%. Petróleo segue em queda livre
27/02/2020 15:04

Um caminho sem retorno
27/02/2020 14:56

O importante papel do Estado
27/02/2020 14:51

Power Dot instala de forma gratuita carregadores para veículos elétricos
27/02/2020 14:45

Wall Street volta a tremer com o coronavírus. Bolsas descem quase 2%
27/02/2020 14:45

Rede de postos de carregamento a crescer
27/02/2020 14:26

Quatro anos repletos de atividades
27/02/2020 14:19

Porto: uma cidade verde
27/02/2020 14:07

OE 2020: A tributação das viaturas elétricas e híbridas plug-in
27/02/2020 13:44

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco