Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Wall Street à deriva sem conclusão das negociações comerciais e à espera dos resultados
14-10-2019 21:17

As bolsas dos EUA fecharam com quedas ligeiras, com os investidores a refletirem a deceção pela ausência de um acordo comercial, ainda que parcial, assinado entre os EUA e a China.
 
O Dow Jones cedeu 0,11% para 26.787,36 pontos, o Nasdaq recuou 0,1% para 8.048,65 pontos e o S&P500 caiu 0,14% para 2.966,15 pontos.
 
Na sexta-feira foi anunciado este acordo, o que animou os investidores. Contudo, a assinatura do mesmo – que prevê que a China compre mais bens agrícolas aos EUA e Washington suspenda o agravamento das tarifas sobre a China previsto para outubro – só deverá acontecer em novembro. Num tema que tem gerado tantos passos à frente e atrás, os investidores parecem já não acreditar em boas intenções, o que acabou por pesar na negociação bolsista.
 
Ao mesmo tempo, os investidores deverão agora focar-se na apresentação de resultados do terceiro trimestre, com a banca a dar o tiro de partida esta terça-feira. Os números de terceiro trimestre são relevantes, mas não tanto pelo que aconteceu neste período e sim pelo que está para vir. O mercado espera que as empresas deixem pistas sobre o que esperam para o total do ano e também para 2020.
"Os investidores estão a virar-se para o que realmente interessa e que são os resultados das empresas", realçou Chuck Carlson, da Horizon Investment, citado pela Reuters.
 
Os analistas preveem que os lucros as cotadas do S&P500 tenham caído 3,2% no terceiro trimestre, segundo os dados da Refinitiv. Se se confirmar esta será a primeira quebra dos lucros desde a última recessão de lucros, que terminou em 2016. Esta redução compara com um aumento de 12,1% há um ano e de 0,8% no trimestre anterior.
Entre as cotadas destaque para a Nike, que subiu mais de 1%, depois de ter sido alvo de uma nota de análise do Bank of America Merrill Lynch.
 
A empresa de construção e engenharia AECOM disparou mais de 6% depois de ter anunciado que vendeu a sua unidade de serviços de gestão a uma "private equity", pode cerca de 2,4 mil milhões de dólares.

DBRS revê em baixa perspetivas para o BCP e CGD
28-05-2020 18:15

Já Está! Assinada a salvação do rei dos cogumelos com perdão de 54 milhões
28-05-2020 18:01

Jornal de Negócios assume compromisso de Sustentabilidade
28-05-2020 17:41

Só 14 mil sócios gerentes estão a receber apoio por quebra de rendimentos
28-05-2020 17:04

Rodi dá prémio de 500 euros aos 300 trabalhadores após ter fixado salário mínimo em 750
28-05-2020 16:55

PSA vai produzir máscaras cirúrgicas numa das suas fábricas
28-05-2020 16:55

Um alentejo em socalcos, como no douro
28-05-2020 16:21

Governo garante que comboios de Lisboa têm ocupação inferior a 2/3
28-05-2020 15:20

PSD diz que Governo vai ponderar atraso na terceira fase em Lisboa e Vale do Tejo
28-05-2020 13:58

Marcelo: "Visão global da covid-19 é positiva", mas Lisboa e Vale do Tejo preocupam
28-05-2020 13:22

Portuguesa Wegho vai contratar 120 pessoas
28-05-2020 13:07

Refinarias de Sines e Matosinhos da Galp podem regressar ao ativo em junho
28-05-2020 11:37

Avaliação da banca às casas volta a subir e regressa a valor recorde
28-05-2020 11:07

Confiança dos consumidores recupera em maio de queda recorde
28-05-2020 09:54

Bloco quer usar orçamento suplementar para negociar baixa de rendas com o Governo
28-05-2020 09:39

Teletrabalho incentivado em junho para pessoas de risco e pais com filhos na escola
28-05-2020 09:23

Emissão de 299 milhões da Madeira vai ter garantia de Estado
28-05-2020 09:23

PSI-20 conta uma mão cheia de ganhos com BCP a subir mais de 2%
28-05-2020 08:10

EasyJet pretende eliminar 30% dos empregos
28-05-2020 08:01

Nova proposta de condenação da China já está nas mãos de Trump
28-05-2020 00:49

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco