Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Merkel dá 30 dias a Johnson para ter alternativa viável ao backstop
21/08/2019 20:06

Mais tempo para encontrar uma solução para o maior obstáculo à aprovação de o acordo de saída. Foi este o parco resultado do  encontro entre a chanceler alemã, Angela Merkel, e o novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.
Depois da primeira conversa pessoal com o eurocético primeiro-ministro do Reino Unido, Merkel manteve o ónus do lado britânico, dando 30 dias a Londres para resolver o "dilema" relacionado com o processo do Brexit e apresentar, neste prazo, um plano alternativo ao chamado backstop.
Recebido em Berlim por manifestantes a gritarem "STOP Brexit", Boris Jonhson chegou à conferência de imprensa que se seguiu ao encontro com Merkel dizendo existir uma "ampla margem" para alcançar um acordo de saída da União Europeia. Johnson mostrou-se ainda "mais do que satisfeito" com o calendário "intenso" definido pela chanceler.
Porém, o governante britânico, que não abdica de consumar o Brexit na data agora prevista para 31 de outubro, reiterou que uma saída britânica do bloco europeu juridicamente enquadrada só pode acontecer se Bruxelas deixar cair o mecanismo de salvaguarda (backstop) para evitar a reposição de controlos rígidos na fronteira irlandesa. Este cenário é recusado por Bruxelas e em particular pela Irlanda.
"[O backstop] simplesmente tem de cair", atirou o conservador garantindo que, se isso acontecer, estarão reunidas as condições para "obter avanços muito rapidamente" com vista a um acordo final.
Apesar de logo no primeiro discurso feito na Câmara dos Comuns enquanto primeiro-ministro britânico, Johnson ter-se comprometido com um Brexit a 31 de outubro "sem ses, nem mas", dando assim força a um cenário de saída sem acordo, agora o político conservador frisou que o grande objetivo do Reino Unido passa por obter um acordo com os parceiros europeus.
Merkel insiste em mudanças na declaração política
A chanceler recuperou uma ideia já expressa noutras ocasiões no longo impasse em torno do Brexit. Dada a indisponibilidade dos líderes europeus para reabrirem a negociação do acordo de saída consensualizado com a ex-primeira-ministra Theresa May, e já três vezes chumbado no parlamento britânico, Merkel sugere alterações à declaração política acordada entre Londres e Bruxelas, e que tem também de ser aprovada pelos deputados britânicos.
No entender de Angela Merkel, a solução para o backstop, que é exigido por Bruxelas e rejeitado por Londres, pode ser alcançada com mudanças ao documento que estabelece os princípios norteadores da relação futura entre os dois blocos, designadamente mediante garantias adicionais de que o Reino Unido não ficaria indefinidamente "preso" às regras do mercado único. Esta hipótese já foi sugerida noutras alturas, mas mereceu sempre a recusa da ala eurocética do Partido Conservador, a mesma que elegeu Johnson líder dos "tories".Boris Johnson, que chegou a rejeitar encontros com Merkel e o presidente francês até que Bruxelas abdicasse do backstop, encontra-se esta quinta-feira, em Paris, com Emmanuel Macron. Esta quarta-feira, fonte oficial do Eliseu citada pela Bloomberg notava que Paris já está a preparar o futuro com base num cenário de saída britânica desordenada da UE. O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, com quem Johnson se reúne domingo à margem do G20, reforçou que Bruxelas não abdica do backstop e pediu a Londres "propostas alternativas realistas". Até ao momento, Boris Johnson, à imagem do parlamento britânico, já deixou bem claro aquilo que não quer, mas ainda não concretizou o que pretende. 

Rio, o homem que quer pôr o jornalismo na ordem
19/09/2019 20:25

Irão avisa Washington e Riade que qualquer ataque resultará numa guerra
19/09/2019 20:00

Trabalhadores da Amazon conseguem mudança nos processos para combater alterações climáticas
19/09/2019 19:38

Empresa em incumprimento com o BCP reduz posição na Pharol a metade
19/09/2019 19:17

Airbnb quer fazer da bolsa a sua nova "casa" em 2020
19/09/2019 18:27

Provedora da Justiça aplaude mudanças no IRS sobre salários de anos anteriores
19/09/2019 17:59

Fecho dos mercados: Bancos centrais animam bolsas europeias. Petróleo volta ao verde
19/09/2019 17:31

Pirata informático Rui Pinto acusado de 147 crimes
19/09/2019 16:39

Matrículas dos automóveis vão mudar de formato
19/09/2019 15:42

Bolsas dos EUA em leve alta após Fed cortar taxas de juro
19/09/2019 14:39

Governo tem 100 milhões para apoiar PME que queiram expandir ou que vão ser herdadas
19/09/2019 14:08

Revolut alarga plataforma de negociação de ações a todos os clientes
19/09/2019 13:08

Parlamento Europeu questiona Elisa Ferreira sobre ações da Sonae
19/09/2019 12:20

Banco de Inglaterra não mexe nos juros enquanto a incerteza sobre o Brexit persistir
19/09/2019 12:20

Portugueses já investiram 650 milhões em certificados em 2019
19/09/2019 11:38

Álvaro Sobrinho faz queixa-crime de candidato à liderança da UNITA
19/09/2019 11:14

Juros do crédito da casa descem pela primeira vez em oito meses
19/09/2019 11:08

Endividamento da economia baixa ligeiramente em julho
19/09/2019 10:57

Como Portugal se tornou no mercado imobiliário "mais quente" da Europa
19/09/2019 10:36

ERSE avisa EDP que instalação de contadores inteligentes "tem de acelerar"
19/09/2019 09:58

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco