Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Irão "não quer" mas "pode" fechar canal vital para o mercado de petróleo
18/07/2019 10:36

O Irão apontou que tem o poder de fechar o estreito de Hormuz, um canal essencial para a comercialização de petróleo, mas ressalva que não tem o desejo de o fazer.
"Temos certamente a capacidade de o fazer, mas certamente não o queremos, pois o estreito de Hormuz e do Golfo Pérsico são o nosso meio de subsistência", declarou o ministro dos negócios estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, numa entrevista dada à Bloomberg TV esta quarta-feira. "(Este meio de subsistência) tem de ser assegurado. Temos um papel importante em assegurá-lo, mas tem de ser da responsabilidade de todos", acrescentou.
Cerca de um terço do crude e combustíveis com origem marítima passou pelo estreito de Hormuz no ano passado, sublinhando o papel fulcral nos mercados de petróleo globais. Entre maio e junho, seis petroleiros foram atacados na região. As responsabilidades do ataque têm sido apontadas ao Irão, mas o país nega.
Os Estados Unidos têm estado a trabalhar num plano para deter as ameaças na área do estreito. Neste sentido, uma estratégia para salvaguardar as rotas dos petroleiros será revelada numa conferência de imprensa, marcada para esta terça-feira. Washington já preveniu que vai necessitar do apoio de outras nações para o plano ser bem sucedido.
A crispação entre os Estados Unidos e o Irão aumentou desde que o Presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos, há um ano, do acordo nuclear internacional assinado, em 2015, entre os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança – Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China (mais a Alemanha) – e o Irão, restaurando sanções devastadoras para a economia iraniana.
Mais recentemente, as acusações e ataques têm-se sucedido: os Estados Unidos responsabilizam Teerão pelo ataque a dois petroleiros no Golfo de Omã e pela destruição de um drone norte-americano que operava na região. A Casa Branca já foi apelidada de "atrasada mental" pelo presidente iraniano, Hassan Rohani, e o presidente Trump admitiu ter cancelado no último momento um ataque ao Irão que causaria 150 mortes.

Engie reforça em Portugal com aquisição da Ikaros Hemera
07/12/2019 11:57

TAP anda pode entrar em bolsa no final de 2020
07/12/2019 11:20

Centeno com apoios para um segundo mandato à frente do Eurogrupo
07/12/2019 11:09

Estado emprestou dois milhões à Cruz Vermelha para pagar salários
07/12/2019 11:03

Investidores aplaudem dados do emprego nos EUA e catapultam Wall Street
06/12/2019 21:05

JOM mobila Cães de Pedra para atacar no estrangeiro
06/12/2019 18:27

SPD dá nova chance a Merkel e troca exigências por "melhorias"
06/12/2019 17:51

Seguradora Fidelidade começa a operar no Chile
06/12/2019 17:28

David Rosas constrói Casa milionária para a filigrana no Porto
06/12/2019 15:59

Conselheiro de Trump diz que acordo comercial está "perto", mas corre o risco de romper
06/12/2019 15:59

Mercado laboral sólido anima Wall Street
06/12/2019 14:45

EUA criam 266 mil empregos, mais 80 mil do que o esperado
06/12/2019 13:58

Saudi Aramco começa a negociar em bolsa dia 11 de dezembro
06/12/2019 13:44

Leiloeira declara guerra a gestor de insolvência da dona do BES na falência da Prado
06/12/2019 13:16

Portugal em risco de ficar fora do Fundo de Transição Justa da UE
06/12/2019 12:41

Produção industrial alemã teve a maior queda da década em outubro
06/12/2019 12:12

TAP tem novembro com o maior número de passageiros de sempre
06/12/2019 12:12

Crédito Agrícola aumenta lucros para 105 milhões até setembro
06/12/2019 11:49

Preço dos combustíveis vai descer para mínimos de três meses
06/12/2019 11:49

Governo estuda alternativas ao IVA para baixar fatura da luz
06/12/2019 10:39

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco