Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Partido no poder em Angola: "Devemos todos renunciar ao suborno"
20/04/2019 18:57

Luísa Damião, vice-presidente do partido no poder em Angola, afirmou este sábado, 20 de abril, que o país está a viver um "momento sublime" na sua História, em que são necessários "verdadeiros patriotas" para apoiar o processo de combate à corrupção.
 
A vice-presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) discursava na abertura da "Campanha Pública de Moralização da Sociedade", iniciativa do MPLA que se realizou em Talatona, a sul de Luanda, sob o lema "Combater a Corrupção e a Impunidade, É Garantir um Futuro Melhor e o Bem-Estar das Famílias Angolanas".
 
"A moralização da sociedade é uma tarefa que necessita da força de todos. É urgente a necessidade e a oportunidade que temos no nosso tempo e nesta geração de corajosa e destemidamente fazermos um corte, uma rutura de rejeição, contra as más práticas. É na verdade um momento sublime da nossa história, em que se precisam verdadeiros patriotas, homens e mulheres que defendam causas nobres e se propõem virar a página e deixar de navegar na impunidade", sublinhou a dirigente do MPLA.
 
Segundo Luísa Damião, têm de juntar-se sinergias em torno de um combate "sem tréguas à corrupção, ao nepotismo, a impunidade e à bajulação", que são vencíveis com o contributo todos os setores da sociedade angolana.
 
A vice-presidente do partido que lidera Angola desde 1975, ano em que acedeu a independência, lembrou que os fundadores do MPLA cumpriram a sua parte, com o sonho, realizado, de um novo país, pelo que chegou a hora de, hoje em dia, todos os angolanos terem a responsabilidade de lutar contra o "inimigo comum".
 
"A corrupção, o nepotismo, a impunidade e a bajulação são como se de uma bomba atómica se tratasse, que não poupa ninguém, pelo que tudo, absolutamente tudo, devemos fazer para vencê-la com todos os meios e inteligências necessárias. Devemos todos renunciar ao suborno, ou seja, o uso da recompensa escondida para conquistar um ato, ou omiti-lo, de um funcionário público a seu favor", insistiu.
 
Para Luísa Damião, o nepotismo consiste na concessão de empregos ou favores por vínculo, e não por mérito, e o peculato é o desvio ou apropriação de fundos públicos para uso privado, pelo que um país em que impera a impunidade "gera descredibilização nas instituições, na confiança e no simbolismo que as mesmas transmitem à sociedade".
 
"Os recursos financeiros ou materiais provenientes da corrupção tornam-se numa desonra pública. É um dinheiro que não é nosso. É do povo para realizar o interesse público. A corrupção é um crime hediondo que deve ser combatido sem tréguas com todas as forças", acrescentou.
 
Lembrando que o combate à corrupção é um dos temas prioritários do Programa de Governo 2017/22, Luísa Damião reiterou a necessidade de o cumprir, algo que "há muito se impunha: um combate cerrado e a sério no nosso país".
 
"É o que estamos a fazer, mobilizando todas as instituições e a sociedade civil a juntar-se à luta que é de todos nós, na medida em que somos direta ou indiretamente afetados por ela, quer queiramos ou não. Todavia, estamos cônscios das diferentes interpretações e mal-estar que o combate ao fenómeno possa causar entre nós. Não está em causa as pessoas, mas apenas atacar e destruir o mal", frisou.
 
Para Luísa Damião, o combate à corrupção já está a dar frutos, defendendo que Angola "abriu uma nova página, um novo ciclo".
 
"Os cidadãos estão cada vez mais a escrutinar à ação dos gestores públicos porque estes são servidores e têm a obrigação de prestarem contas ao povo. Não há dúvidas da forte determinação, coragem e grande sentido de Estado do Presidente de Angola, João Lourenço", sublinhou.
 
"O combate à corrupção e seus males é sério. Não vale a pena pensar-se que é apenas para inglês ver e que é seletivo, como alguns tentam insinuar em vez de apresentarem opiniões construtivas. É um processo onde o papel fundamental cabe não somente aos órgãos da administração da justiça, mas sobretudo das organizações da sociedade civil, das igrejas, das universidades e outros grupos de representação dos interesses de cidadãos", acrescentou.
 
Nesse sentido, a luta contra a corrupção "é um facto" e os indicadores são "bastantes animadores", com o encorajamento e incentivo das organizações e entidades da sociedade civil nacional e internacional, "que dão boa nota aos esforços em curso no país".
 
"Nesta cruzada de luta contra a corrupção, o MPLA deve ocupar a primeira trincheira, assumir o papel de vanguarda e de líder", concluiu.

Salvini admite falar com Berlim e Paris sobre défice e põe juros em queda acentuada
24/05/2019 18:42

Nova série especial do Renegade 2019
24/05/2019 18:09

Fecho dos mercados: Europa recupera o fôlego. Petróleo tem a maior queda semanal desde janeiro
24/05/2019 17:35

Champalimaud investe mais 805 mil euros nos CTT. Já tem mais de 13% da empresa
24/05/2019 17:24

Ferro Rodrigues convoca reunião sobre devedores da banca para 28 de maio
24/05/2019 17:18

Johnson avisa: "Vamos sair da UE a 31 de outubro, com ou sem acordo"
24/05/2019 17:06

Bolsa sobe na sessão mas não escapa a quarta queda semanal consecutiva
24/05/2019 16:45

Ações da Amazon podem chegar aos 3.000 dólares em dois anos, dizem analistas
24/05/2019 16:34

Fisco gasta mais de 327 mil euros em cadeiras, armários, gavetas e cestos de papéis
24/05/2019 16:05

Talheres e gases portugueses à conquista do Cazaquistão
24/05/2019 15:17

Wall Street recupera com hipótese de incluir Huawei em acordo EUA-China
24/05/2019 14:55

Emissão em moeda chinesa é "oportunidade" para alargar base de investidores
24/05/2019 14:40

Negócios é líder com quase o dobro das visitas
24/05/2019 14:22

Jogo online: APAJO critica envio de proposta sobre fiscalidade para Bruxelas
24/05/2019 13:21

Boyden abre no Porto 15 meses depois da saída de Rui Rio
24/05/2019 13:07

EDP e Galp vão ter de continuar a pagar contribuição em Espanha
24/05/2019 13:07

Bruxelas obriga ao registo de drones a partir de 2020
24/05/2019 12:33

Snack OPAL #2
24/05/2019 11:54

Goldman vê ações dos EUA a ganhar no ano apesar da guerra comercial
24/05/2019 11:09

BCP decreta o fim da obrigatoriedade do uso de gravata no verão
24/05/2019 10:35

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco