Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Meng e OPEP: a dupla que manteve Wall Street no chão
06/12/2018 22:52

O Dow Jones encerrou a cair 0,32% para 24.947,67 pontos e o Standard & Poor’s 500 perdeu 0,15% para 2.695,95 pontos.
 
Em contrapartida, o tecnológico Nasdaq Composite conseguiu recuperar na última hora de negociação e terminou no verde, a somar 0,42% para 7.188,26 pontos.
 
As bolsas em Wall Street reabriram após um dia de paragem devido às cerimónias fúnebres do ex-presidente norte-americano George H. W. Bush. E prosseguiram o movimento de queda com que tinham encerrado na terça-feira, se bem que no final da sessão tenham conseguido eliminar parte das perdas e o Nasdaq tenha mesmo conseguido chegar à tona – apesar da queda superior a 1% da Apple.
 
A CFO (administradora financeira) da Huawei e filha do fundador da tecnológica chinesa, Meng Wanzhou, foi detida no Canadá por suspeitas de violação das sanções impostas pelos EUA ao Irão e foi essa notícia que esteve hoje a pressionar os mercados financeiros.
A detenção de Meng Wanzhou desencadeou um sentimento negativo nos mercados, ao intensificar as dúvidas em torno das tréguas entre os EUA e a China. Isto depois de terem sido anunciados os 90 dias de 'paz comercial'. 
 
Um dos sectores que mais penalizou os índices do outro lado do Atlântico foi o da energia, muito à conta das fortes quedas dos preços do petróleo em dia de reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), depois de a Arábia Saudita ter dito que propunha uma redução da produção mais baixa do que se esperava.
 
A reunião de hoje terminou sem um acordo sobre a dimensão do corte na produção a implementar pelos membros do cartel, que esperam agora pelo encontro de amanhã com os produtores externos ao grupo, que incluem a Rússia (OPEP+), para tomarem a decisão final.
 
A expectativa do mercado é a de que seja anunciado um corte conjunto de cerca de 1,3 milhões de barris por dia. 
 
A retoma na última hora de negociação em Wall Street mostra o quão incertos estão os investidores relativamente às tensões comerciais entre Washington e Pequim, sublinha a CNN Money.
 
O mercado poderá também ter recebido um impulso devido ao relato do The Wall Street Journal de que a Reserva Federal está a ponderar reduzir o ritmo de subida das taxas de juro na próxima semana, refere a mesma fonte.
 
Esta eventualidade começou a ganhar mais força na semana passada, quando o presidente da Fed, Jerome Powell, adoptou uma posição mais branda relativamente à subida de juros directores nos EUA, fazendo crescer a especulação de que o banco central poderá estar mais perto do que se pensa de travar o ciclo de aumento dos juros.
 
Powell disse que as taxas de juro estão "pouco abaixo" do nível da política neutra – ou seja, em que não há arrefecimento nem aceleração do crescimento económico. Além disso, o presidente da Fed sublinhou que os efeitos da subida dos juros demoram tempo a reflectir-se nos dados. Isto levou a que os investidores ficassem mais convictos de que a Reserva Federal se prepara para reduzir o ritmo de subidas da taxa directora ou até mesmo a interromper esse ciclo.
 
No dia seguinte, a 29 de Novembro, as actas da última reunião do banco central foram no mesmo sentido: tudo indica que os juros sejam aumentados na reunião de 18 e 19 de Novembro, em mais 25 pontos base (o nono aumento desde que o banco central iniciou o ciclo de subida dos juros, em Dezembro de 2015), mas talvez não aumentem em 2019 as quatro vezes que se antecipava.
 
Nas referidas actas, a Reserva Federal sustentou que um novo aumento dos juros é "necessário em breve". No entanto, mostrou apreensão perante a disputa comercial EUA-China e ao endividamento das empresas norte-americanas.
 
"Uma vez mais, a Fed alude à possibilidade de uma pausa [na subida dos juros] em 2019", sublinhou numa nota de análise o economista-chefe da FTN Financial, Chris Low.
 
 

May enfrenta prova de fogo. Partido avança com voto de (des)confiança
12/12/2018 08:02

CFO da Huawei paga fiança. Trump admite vir a intervir a favor de acordo comercial
12/12/2018 07:49

Dono do Minipreço diz estar prestes a refinanciar dívida
11/12/2018 19:03

Cedência chinesa nas tarifas automóveis estava a animar Wall Street. Mas tweet de Trump mudou tudo
11/12/2018 18:43

Fecho dos mercados: França penaliza euro e China anima dólar em dia de optimismo nas bolsas europeia
11/12/2018 17:36

Costa diz que paralisação dos enfermeiros "é um acto grave"
11/12/2018 16:10

Medidas de Macron custam 10 mil milhões. Défice sobe para 3,4%
11/12/2018 15:32

Bruxelas vai "seguir com atenção" impacto das medidas anunciadas por Macron
11/12/2018 15:07

Wall Street soma mais de 1% com cedência da China nas tarifas automóveis
11/12/2018 14:44

Time escolhe para personalidade do ano jornalistas que lutaram pela verdade
11/12/2018 13:47

FMI avisa que estão a reunir-se condições para a próxima crise financeira
11/12/2018 13:38

Acções Vista Alegre disparam quase 7%
11/12/2018 12:03

Abertura dos mercados: Europa recupera enquanto petróleo mantém queda
11/12/2018 09:29

Clientes de Madoff recuperaram 70% do investimento em 10 anos
11/12/2018 08:21

Bolsa nacional sobe e acompanha resto da Europa
11/12/2018 08:08

Brexit atirou Wall Street para mínimos de oito meses mas tecnológicas devolveram fôlego
10/12/2018 21:11

Aprovado Pacto (pouco) Global para as migrações que divide a Europa
10/12/2018 20:13

Ignacio Ruiz vai integrar conselho geral e de supervisão da EDP. Yang Ya sai
10/12/2018 19:57

Universidade de Aveiro vence desafio da NATO com solução para o extremismo online
10/12/2018 18:47

Deutsche Bank sobe preço-alvo da Galp e recomenda "comprar"
10/12/2018 18:33

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco