Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Ausência de acordo para cortar produção afunda cotações do petróleo
06-12-2018 18:26

A expectativa era a de que os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo aprovassem esta quinta-feira, em Viena,um corte de produção de grande dimensão. Mas a reunião terminou sem qualquer acordo e os preços da matéria-prima reagiram em forte queda. O "ouro negro" chegou a desvalorizar mais de 5%, para se aproximar dos mínimos de Outubro de 2017 registados na semana passada.
 
O ministro da Energia da Arábia Saudita já tinha revelado durante a manhã que ainda não existia acordo para o cartel e os seus aliados reduzirem a produção da matéria-prima e defendeu que apenas é necessário efectuar um "corte moderado". E o dia terminou mesmo sem qualquer entendimento em relação ao ritmo de produção do cartel, levando o crude a afundar.
 
O barril de Brent segue a perder 3,33% para 59,51 dólares em Londres, mas chegou a cair 5% para 58,36 dólares, já perto do mínimo de Outubro de 2017 fixado na semana passada. Já o WTI, em Nova Iorque, cede 3,2% para 5,18 dólares.
 
Os membros da OPEP decidiram esperar pelo encontro de amanhã com os produtores externos ao grupo, que incluem a Rússia (OPEP+), para tomar a decisão final.
 
O ministro da Energia da Arábia Saudita (e voz mais influente da OPEP) disse aos jornalistas, antes da reunião em Viena, que está em cima da mesa a aplicação de um corte de produção entre 500 mil e 1,5 milhões de barris por dia, mas não está fechado qualquer acordo e a Rússia ainda não revelou o que pretende fazer.
 
Al-Falih considerou "adequado" um corte global (OPEP+) de 1 milhão de barris por dia, um volume considerado "modesto" e que fica abaixo do esperado pelo mercado, que aguardava uma redução de pelo menos 1,3 milhões de barris.
 
Esta declaração do ministro saudita esteve a contribuir para a desvalorização das cotações, já que estava a ser estimada uma acção concertada de maior dimensão para travar a descida recente da matéria-prima nos mercados.

Abertura dos mercados: Acordo comercial China-EUA dá ânimo à Europa. Petróleo soma mais de 1%
12-12-2018 09:29

May luta contra oposição: "Estou preparada para terminar o meu trabalho"
12-12-2018 09:21

Sindicato dos estivadores prolonga greve
12-12-2018 09:21

May enfrenta prova de fogo. Partido avança com voto de (des)confiança
12-12-2018 08:02

CFO da Huawei paga fiança. Trump admite vir a intervir a favor de acordo comercial
12-12-2018 07:49

Dono do Minipreço diz estar prestes a refinanciar dívida
11-12-2018 19:03

Cedência chinesa nas tarifas automóveis estava a animar Wall Street. Mas tweet de Trump mudou tudo
11-12-2018 18:43

Fecho dos mercados: França penaliza euro e China anima dólar em dia de optimismo nas bolsas europeia
11-12-2018 17:36

Costa diz que paralisação dos enfermeiros "é um acto grave"
11-12-2018 16:10

Medidas de Macron custam 10 mil milhões. Défice sobe para 3,4%
11-12-2018 15:32

Bruxelas vai "seguir com atenção" impacto das medidas anunciadas por Macron
11-12-2018 15:07

Wall Street soma mais de 1% com cedência da China nas tarifas automóveis
11-12-2018 14:44

Time escolhe para personalidade do ano jornalistas que lutaram pela verdade
11-12-2018 13:47

FMI avisa que estão a reunir-se condições para a próxima crise financeira
11-12-2018 13:38

Acções Vista Alegre disparam quase 7%
11-12-2018 12:03

Abertura dos mercados: Europa recupera enquanto petróleo mantém queda
11-12-2018 09:29

Clientes de Madoff recuperaram 70% do investimento em 10 anos
11-12-2018 08:21

Bolsa nacional sobe e acompanha resto da Europa
11-12-2018 08:08

Brexit atirou Wall Street para mínimos de oito meses mas tecnológicas devolveram fôlego
10-12-2018 21:11

Aprovado Pacto (pouco) Global para as migrações que divide a Europa
10-12-2018 20:13

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco